domingo, 24 de janeiro de 2021

Estados e municípios burlam regra para reajustar salário de funcionalismo

 Segundo o site https://www.noticiasaominuto.com.br: A partir de 1º de janeiro de 2022, o salário do prefeito de Manaus subirá de R$ 18 mil para R$ 27 mil, e o dos vereadores, de R$ 15 mil para R$ 18,9 mil

Na semana do Natal, enquanto Manaus já agonizava com a piora da pandemia e a falta de oxigênio nos hospitais, a Câmara de Vereadores da capital do Amazonas se reuniu em sessão extraordinária no dia 21 para aprovar dois projetos que aumentaram os salários de vereadores, prefeito, vice-prefeito, secretários e subsecretários. A partir de 1º de janeiro de 2022, o salário do prefeito de Manaus subirá de R$ 18 mil para R$ 27 mil, e o dos vereadores, de R$ 15 mil para R$ 18,9 mil.                                                                              A Câmara de Vereadores de São Paulo seguiu os colegas de Manaus e dias depois, em 23 de dezembro, aprovou em segundo turno um aumento médio de 46,6% para os salários do prefeito, Bruno Covas (PSDB), do vice e dos secretários da capital. A promulgação da lei foi publicada no dia 24, com o reajuste no salário de Covas de R$ 24.175,55 para R$ 35.462,00, também a partir de 2022.

Embora estejam proibidos reajustes para servidores até o fim deste ano, municípios e Estados estão burlando a regra para dar aumento ao funcionalismo . Além das duas capitais que já contrataram os aumentos para 2022, pelo menos sete Estados deram reajustes ou abriram caminho para aumentos ao funcionalismo neste ano apesar da restrição legal, segundo levantamento feito pelo Estadão (ver quadro ao lado). A Lei Complementar 173, que garantiu socorro aos Estados e municípios durante a pandemia, congelou salários de servidores federais, estaduais e municipais e vetou aumento de gastos de pessoal até dezembro de 2021.

Sem congelamento

O congelamento dos salários foi um movimento capitaneado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, para evitar que o dinheiro repassado ao combate à covid-19 se transformasse em aumento de salários em ano de eleições e de pandemia, quando milhões de trabalhadores da iniciativa privada perderam emprego e tiveram salários cortados. Em suas aparições públicas, o ministro costuma destacar a economia de até R$ 132 bilhões obtida com a medida. Mas, com o "jeitinho" brasileiro, a regra tem sido desfigurada para abrir caminho a aumentos de gastos obrigatórios e permanentes.

Na época da votação, parlamentares contrários ao congelamento alegaram que nenhum prefeito ou governador daria aumento em plena pandemia. O crescimento dos gastos com pessoal é um dos principais gargalos que comprometem as finanças dos governos regionais. Porém, os arranjos políticos mostram uma disposição diferente.                                              Embora os casos se concentrem em Estados e municípios, nem mesmo a União escapa das brechas: o Executivo federal já abriu edital para 3 mil vagas na Polícia Federal e na Polícia Rodoviária Federal.

Procurados pela reportagem, alguns órgãos silenciaram, e os que responderam rejeitaram qualquer afronta à proibição da lei que concedeu o socorro a Estados e municípios. As justificativas variam: as medidas já estavam previstas ou são cargos que estão vagos (para os quais não haveria vedação à reposição), ou ainda as autorizações não são impositivas.

O Ministério da Economia, que brigou pela manutenção da regra quando o próprio Congresso Nacional ameaçou derrubar a proibição, diz que a fiscalização cabe aos Tribunais de Contas estaduais e municipais.

E sobre o próprio concurso autorizado pela União, a pasta informou que eles se enquadram na exceção da lei, que permite contratações para repor vagas em aberto.

Estados em crise usam brechas para contratar

Governadores e prefeitos têm se aproveitado de brechas da Lei Complementar 173, que proibiu reajustes e ampliações de gastos com pessoal como condição para um socorro bilionário durante a pandemia da covid-19, para mesmo assim conceder aumentos ou fazer contratações. O grupo inclui Estados em péssimas condições financeiras e que estão na fila por um socorro da União.

No Rio de Janeiro, a Assembleia do Estado incluiu no Orçamento a previsão de um plano para a revisão dos salários - na prática, uma brecha para concessão de reajustes. Em estado de calamidade financeira desde 2016 e sob o Regime de Recuperação Fiscal (RRF) desde 2017, o Estado ainda pagará salários 11% maiores para o governador e integrantes do primeiro e segundo escalão do Executivo, após a revogação de uma lei que cortava essas remunerações. O rombo nas contas públicas previsto para este ano está na casa dos R$ 20 bilhões.                                                                                                                                        A Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag) do Rio informou que a emenda do Orçamento "não é impositiva": "Pode haver ou não um plano de revisão anual dos servidores, o que não implica em um aumento salarial ou contratações. Não há previsão de reajustes."

Em Goiás, a Assembleia aprovou um reajuste de até 64,61% para professores com contratos temporários que ainda não recebiam o piso nacional da categoria. A secretária de Economia do Estado, Cristiane Alkmin, disse ao Estadão que o aumento não conflita com a lei do socorro porque o piso dos professores é determinado por uma legislação federal, anterior à pandemia, e a lei trata esse tipo de aumento de gastos como uma exceção à proibição.

No Pará, o governo concedeu reajuste de 3% para delegados da Polícia Civil e ainda determinou um pagamento retroativo de abono salarial a servidores da segurança pública, referente ao período de 2014 a 2017. O anúncio foi feito pelo governador Helder Barbalho (MDB) e pela agência oficial de notícias. O governo do Estado, porém, não respondeu ao pedido do Estadão para detalhar o impacto financeiro da medida e se há violação das restrições impostas pela lei 173.

Em Mato Grosso do Sul, o governo discute uma proposta para incorporar o adicional de produtividade ao salário de fiscais tributários e auditores do Estado. Na prática, isso eleva a remuneração porque outros benefícios incidiram sobre o salário mais gordo - além de não haver impedimentos no futuro para a criação de novos adicionais. O governo estadual também não respondeu à reportagem.

Em Minas Gerais, o governador Romeu Zema (Novo) adota o discurso contra privilégios, mas sancionou uma lei que amplia possibilidade de novas gratificações para o Judiciário estadual e aumenta o número de vagas para desembargadores. O governo mineiro não respondeu ao pedido de entrevistas.

Já o Rio Grande do Sul anunciou concursos públicos para preencher 3,4 mil vagas, a maior parte de professores e profissionais da Secretaria de Saúde. Tanto a Procuradoria-Geral do Estado quanto o governador, Eduardo Leite (PSDB), afirmaram em recente entrevista coletiva que as contratações não violam a lei porque preenchem cargos que já estavam vagos. Nas prefeituras de São Paulo e Manaus, os reajustes ficaram para 2022, mas já foram contratados e, no caso da capital do Amazonas, pode ser implementado ainda este ano, caso a proibição na lei federal seja revogada. Além disso, a remuneração dos prefeitos funciona como teto da remuneração dos servidores municipais                                                                Em São Paulo, categorias vinham pressionando os vereadores a conceder o reajuste para driblar o que vinha então funcionando como trava, impedindo mais aumentos para a elite do funcionalismo. A Prefeitura disse ao Estadão que a lei do reajuste é "autorizativa" e que o teto salarial só será alterado se a pandemia estiver superada em 2022.

Segundo a assessoria do prefeito, Bruno Covas (PSDB), a mudança é importante porque o teto do funcionalismo não é corrigido desde 2012, e a defasagem favorece a evasão de profissionais de carreiras com salários elevados e com alta qualificação, como auditores fiscais.

Em Manaus, nem a Câmara de Vereadores, nem a Prefeitura responderam aos pedidos de informações da reportagem. Em abaixo-assinado, entidades, instituições, pastorais e movimentos sociais pediram a rejeição dos projetos.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.        

Secretários de Fazenda apelam ao Congresso pela prorrogação do auxílio emergencial

 Segundo o site https://www.noticiasaominuto.com.br: Eles pedem ainda ao Legislativo a prorrogação do estado de calamidade pública por mais seis meses e, como consequência, a continuidade da emenda à Constituição Federal que permitiu a suspensão temporária de bloqueios fiscais como o teto de gastos

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Em carta dirigida ao Congresso nesta sexta-feira (22), secretários de Fazenda, Finanças ou Tributação de 18 estados pediram a ajuda dos parlamentares para que o governo federal estenda o auxílio emergencial pago em 2020 em virtude da pandemia da Covid-19.                                                                                             Eles pedem ainda ao Legislativo a prorrogação do estado de calamidade pública por mais seis meses e, como consequência, a continuidade da emenda à Constituição Federal que permitiu a suspensão temporária de bloqueios fiscais como o teto de gastos.


O fim do auxílio, mostrou a Folha de S,Paulo, mexe, de uma só vez, com a vida das pessoais e com a economia do país ao tirar R$ 32 bilhões da população de baixa renda. O último crédito foi pago no dia 29 de dezembro.


De acordo com o grupo de secretários, a ajuda foi fundamental para "preservar a vida, o emprego e a renda" e contribuiu para a continuidade e aumento da oferta de serviços públicos em áreas prioritárias, principalmente saúde e assistência social.


"A continuidade de tal medida é essencial para não colocar milhares de famílias em situação de fome e desamparo social", afirmaram.


"[O auxílio emergencial] garantiu renda à população mais necessitada e foi fundamental para, além de garantir o sustento básico das famílias, impulsionar o consumo e a atividade econômica."


O auxílio foi fundamental para a arrecadação dos tributos, principalmente do ICMS, principal imposto estadual, disseram ainda os autores da carta ao Congresso.


Ao lamentar que a pandemia "ainda não chegou ao fim", os secretários disseram no documento que a situação se apresenta ainda mais preocupante porque o país não tem um calendário nacional de vacinação e os dados de evolução de mortes e da taxa de contágio estão em níveis alarmantes.                                                                                                        Além das vítimas fatais e dos impactos causados tanto na saúde pública quanto na saúde física e mental dos infectados e de seus círculos de relacionamentos, argumentaram os secretários, milhões de famílias estão sofrendo com os outros efeitos socioeconômicos da pandemia como o desemprego e a recessão.


O documento reforça que o distanciamento social é a principal forma de reduzir a taxa de contágio da doença e salvar vidas, segundo os principais expoentes da área de infectologia, microbiologia, medicina preventiva e cuidados sanitários.


Como consequência dessa nova dinâmica social, a atividade econômica foi significativamente impactada.


"Em nosso país, vimos o aumento explosivo do desemprego e da pobreza, de modo que o auxílio renda emergencial foi essencial para garantir que milhões de brasileiros não passassem fome e tivessem condições básicas de sobrevivência", afirmaram.


A transferência direta de renda às famílias mais pobres, com maior propensão a consumir, segundo eles, impulsionou o comércio, possibilitando uma gradual retomada da atividade econômica e mitigando os impactos na arrecadação de impostos.


Os secretários propõem ainda a suspensão, por 12 meses a contar de 1º de janeiro, do pagamento de precatórios e de amortização e juros de dívidas com União, bancos públicos e instituições financeiras internacionais, assim como das operações de crédito com aval da União.


Para eles, medidas como essas são fundamentais para garantir os recursos necessários ao atendimento aos infectados pela Covid-19, com ampliação de leitos, construção de hospitais de campanha e contratação de profissionais de saúde.        

Polícia Federal combate crimes previdenciários em Pernambuco

 Segundo o site https://www.noticiasaominuto.com.br: O prejuízo estimado em decorrência de pagamento indevido de benefícios foi de aproximadamente R$ 700 mil

O grupo investigado atuava na concessão de benefícios de aposentadoria por tempo de contribuição a partir de recolhimentos na categoria de empregado doméstico, sem a devida comprovação da atividade. Foram cumpridos cinco mandados de busca e apreensão, nas cidades de Recife e Moreno, expedidos pela 36ª Vara da Justiça Federal, em Recife.

A Operação Promus acontece em conjunto com a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, do Ministério da Economia, e Ministério Público Federal, por meio da Força-Tarefa Previdenciária e Trabalhista em Pernambuco.

Em nota, a Polícia Federal explicou que o fato foi identificado a partir da análise de dez processos de aposentadoria oriundos da Agência da Previdência Social na cidade de Paulista (PE), também em Pernambuco. Esse material foi apreendido durante a Operação Garoa, deflagrada pela Força-Tarefa em 2018.

Além do prejuízo com o pagamento indevido, o Ministério da Economia estima uma economia de R$ 3 milhões em pagamentos futuros, caso o esquema não tivesse sido detectado. Essa economia é referente à continuação do pagamento de quatro benefícios, pois os outros seis já haviam sido interrompidos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

No decorrer da análise foram identificados ainda mais de 260 processos de aposentadorias por tempo de contribuição que, segundo a PF, estavam nas mesmas condições. O material será encaminhado ao INSS para as devidas providências.

O nome da operação, Promus, vem do latim e significa mordomo, em alusão à forma como o grupo atuava, utilizando recolhimento de contribuição com vínculo de doméstico.

Com informações da Agência Brasil

Resultado da Mega-Sena 2337 de hoje, 23/01; aposta única de Fortaleza leva R$ 22 milhões

 Segundo o site https://diariodonordeste.verdesmares.com.br: Os números sorteados foram: 02 - 09 - 34 - 49 - 51 - 55

Uma aposta de Fortaleza ganhou o  prêmio de R$ 21.898.260,37 do concurso 2.337 da Mega- Sena. As dezenas sorteada foram: 02 - 09 - 34 - 49 - 51 - 55.

O concurso aconteceu às 20h e foi transmitido ao vivo pelo perfil da Loterias Caixa no Facebook e no canal da Caixa Econômica Federal no Youtube.

[Atualização às 22:00, de 23/01/21] O Diário do Nordeste noticiou anteriormente que o prêmio da Mega-Sena teria acumulado. A informação foi atualizada no site da Caixa Econômica Federal, ainda na noite deste sábado, e uma aposta única levou o valor milionário.

Como apostar na Mega-Sena

As apostas na Mega-Sena podem ser feitas presencialmente nas Casas Lotéricas, pelo internet banking da Caixa (para quem é correntista do banco) ou pelo site Loterias Online.

> Veja como fazer apostas pela internet

Quais os números que mais são sorteados na Mega-Sena?

Uma das estratégias usadas por quem deseja ter mais chances de acertar os seis números sorteados da loteria da Mega-Sena é procurar saber qual a probabilidade de combinações de dezenas entre as mais sorteadas.

> Confira as dezenas mais sorteadas

Maiores prêmios da Mega-Sena

O prêmio de maior valor da Mega-Sena foi pago no dia 31 de dezembro de 2017, quando o concurso 2000 da Mega-Sena da Virada pagou a quantia de R$ 306.718.743,68.                                                                                                              Confira os maiores prêmios da Mega-Sena e os estados mais vencedores

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil

Vídeo: homem é executado com quase sete tiros durante caminhada

 Segundo o site https://www.portalt5.com.br: Crime foi registrado no Distrito de Santa Rita.

Equipes das polícias Civil e Militar foram acionadas (Frame: Reprodução / Verinho Paparazzo)

Um homem foi assassinado a tiros na noite deste sábado (23). O crime foi registrado no distrito de Livramento, na cidade de Santa Rita, grande João Pessoa. Segundo a Polícia Civil (PM), a vítima caminhava a pé quando foi interceptada pelos autores do crime e recebeu ao menos sete tiros.

Os suspeitos fugiram após os disparos. No local, possíveis testemunhas não informaram o que pode ter acontecido. A suspeita de execução de confirmou ainda no local pela equipe da polícia.                                                                                                                                          O caso seguirá em investigação. A vítima, inclusive, não havia foi identificada no local.


Vigia de 76 anos reage a assalto e, mesmo baleado, "cancela CPF" de bandido e manda outro para o hospital (veja o vídeo)

 Segundo o site https://correiodenoticia.com.br: Vigia de 76 anos reage a assalto e, mesmo baleado, "cancela CPF" de bandido e manda outro para o hospital (veja o vídeo)

A gravação, feita por uma câmera de segurança, mostra um vigilante, de 76 anos, atirando em dois assaltantes em Jataí (GO), na última quarta-feira (20).

De acordo com o relato do vigia, os dois suspeitos tentavam furtar uma loja de peças, quando se depararam com o idoso e começaram a atirar em sua direção. O homem, então revidou os disparos e conseguiu atingir os bandidos.

Um dos assaltantes, de 19 anos, chegou a ser socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), mas morreu no local. O outro assaltante, de 20 anos, mesmo tendo sido atingido por dois tiros, tentou fugir, mas foi localizado pela Polícia Militar e levado para o Hospital de Urgência da Região Sudeste (HURSO), em Santa Helena de Goiás. O estado de saúde do segundo assaltante ainda não foi divulgado.

O vigilante, que acabou sendo baleado na mão, foi levado para uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA).

A equipe da Polícia Técnico-Científica apreendeu duas armas durante perícia realizada no local, uma usada pelo vigia e outra dos assaltantes. Segundo a Polícia Civil, o suspeito de 20 anos, assim que receber alta hospitalar, deve responder pelo crime de tentativa de latrocínio, por ter tentado matar o idoso para roubar a loja.

Confira: World Facts

Três jovens são mortos a tiros durante festa clandestina em Cruzeiro do Sul

 Segundo o site https://independente.com.br: Três jovens foram mortos a tiros durante uma festa clandestina no Bairro Vila Zwirtes, em Cruzeiro do Sul. Devido a pandemia causada pelo novo coronavírus não é permitido a realização de eventos que gerem aglomerações

Conforme informações obtidas pela reportagem no local, a situação ocorreu por volta das 5h deste domingo (24). Na área há um galpão onde a festa estava acontecendo. As vítimas, que ainda não tiveram as identidades confirmadas, são dois jovens, uma mulher de 22 anos, um rapaz de 20 e um homem de 28 anos.

Conforme relato do pai da moça para reportagem, ele não sabia que a filha estava em uma festa, apenas foi acordado de madrugada e comunicado sobre o fato. Além dos dois mortos, outras duas jovens sofreram ferimentos e foram levadas para UPA e Hospital Bruno Born (HBB) de Lajeado para atendimento médico.                                No local ficaram projéteis de bala de fogo, além de muitas garrafas e latas de bebidas alcoólicas espalhadas pelo chão e mesas. A Brigada Militar informou que não se sabe, até o momento, quem efetuou os disparos e nem em que veículo estavam. Quando os policiais chegaram não havia mais ninguém no local, eles imaginam que os demais participantes da festa tenham fugido assim que os disparos foram efetuados. Por volta das 8h deste domingo os corpos permaneciam no local aguardando a chegada da perícia.

Polícia não tinha conhecimento sobre a festa

Segundo a Brigada Militar, a polícia não tinha conhecimento sobre a realização da festa. Populares e moradores da localidade informaram à Rádio Independente que esse tipo de situação era recorrente naquele local, tendo eventos durante todos os finais de semana.

Texto: Gabriela Hautrive
reportagem@independente.com.br

Assista ao vídeo

  

Jovem leva golpe de enxada após discutir com tio sobre divisão de terreno

 Segundo o site https://www.portalt5.com.br: Vítima e agressor teriam discordado sobre divisão de terreno herdado.

Uma discussão envolvendo parentes terminou com um jovem ferido com um golpe de enxada na tarde deste sábado (23). O caso foi registrado em Várzea Nova, Santa Rita, Grande João Pessoa.

De acordo com o relato à Polícia Militar (PM), tio e sobrinho discutiram após discordar com relação a divisão de um terreno herdado. No meio do desentendimento, o tio teria se armado com uma enxada e desferido o golpe.          A vítima foi ferida na região do ombro e encaminhada ao Hospital de Emergência e Trauma de João Pessoa. O suspeito pelo caso fugiu após o crime.

Até a publicação desta matéria não haviam informações sobre ele. 

Acidente envolvendo carro e van deixa três mulheres mortas

 Segundo o site https://cidade997.com.br: Uma van de transporte clandestino bateu de frente com um carro de passeio na manhã de sábado (23) na PE-126 na mata sul do estado.

Três ocupantes do carro morreram. De acordo com a polícia o motorista do veículo onde estavam as vítimas, estava com sinais de quem tinha ingerido bebida alcoólica. Ele foi levado para a delegacia de Palmares.

Os passageiros da van que fazia a Linha Palmares-Catende e os ocupantes do veículo de passeio que ficaram feridos foram socorridos pelo Samu para hospitais da região. 


sábado, 23 de janeiro de 2021

Impeachment de Bolsonaro é rejeitado por 53% e defendido por 42%, mostra Datafolha

 Segundo o site https://www.noticiasaominuto.com.br: Para 53% dos entrevistados, a Câmara dos Deputados não deveria abrir um processo por crime de responsabilidade contra o presidente.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Apesar da piora na avaliação de Jair Bolsonaro em meio ao recrudescimento da pandemia da Covid-19, o brasileiro não quer, em sua maioria, que o presidente sofra um processo de impeachment ou renuncie.                                          É o que revela pesquisa do Datafolha feita nos dias 20 e 21 de janeiro com 2.030 pessoas, ouvidas por telefone para respeitar regras sanitárias. A margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos.


Para 53% dos entrevistados, a Câmara dos Deputados não deveria abrir um processo por crime de responsabilidade contra o presidente.                                                                          O número indica uma estabilidade ante o levantamento anterior, de 8 e 10 de dezembro, quando 50% descartavam a medida.


Já aqueles que defendem o impeachment oscilaram negativamente, de 46% para 42%, enquanto quem não sabia responder passou de 6% para 4%.


O impedimento do presidente voltou às conversas políticas devido ao acúmulo de problemas de gestão da pandemia, como a crise em Manaus e a confusão sobre a vacinação, e seus efeitos econômicos com o fim do auxílio emergencial.


Como listou o jornal Folha de S.Paulo, há ao menos 23 situações que podem embasar juridicamente uma acusação de crime de responsabilidade do presidente.


Incialmente, o movimento pedindo o impeachment começou em partidos de esquerda e na sociedade civil, e agora espraiou-se entre grupos à direita que pediram nas ruas o impeachment de Dilma Rousseff (PT) em 2016.                                                                  A discussão chegou até a aliados de Bolsonaro no centrão. Na defensiva, o procurador-geral da República, Augusto Aras, provocou polêmica com uma nota na qual deixava para o Parlamento qualquer apuração sobre responsabilidades de Bolsonaro.


A discussão ampliou o racha entre procuradores da República, com a crescente percepção de que o chefe do Ministério Público Federal trabalha em sintonia com o presidente.


O impeachment tem mais apoio entre aqueles que têm de 16 a 24 anos (51%) e as mulheres (49%). Rejeitam mais a ideia homens (62%) e pessoas de 35 a 44 anos (59%).


No corte geográfico, os usuais bastiões bolsonaristas do Norte/Centro-Oeste, com 60% de rejeição à proposta, e Sul, com 58%, lideram a resistência ao impeachment.


No Nordeste, que voltou a se afastar de Bolsonaro após o fim do auxílio emergencial, a rejeição é a menor do país (50%), igual à da região mais populosa, o Sudeste (52%).


A manutenção da rejeição ao instrumento, ainda que não esmagadora, deverá servir de argumento para aqueles que, mesmo incomodados com Bolsonaro, consideram que o impeachment seria uma solução drástica para um país que passou pelo processo há pouco mais de quatro anos com Dilma Rousseff.


Segundo o Datafolha, permanece estável o percentual de pessoas que rejeitam a ideia de que Bolsonaro deva renunciar. São 51%, ante 50% em dezembro. Já defendem a medida 45%, oscilação negativa dos 48% apontados na rodada anterior.


São mais contrários à sugestão de renúncia moradores das duas regiões associadas ao bolsonarismo: Norte/Centro-Oeste (57%) e Sul (52%). Elas são as menores em termos populacionais na amostra do Datafolha, contudo, somando respectivamente 16% e 14% dos ouvidos.


O apoio a Bolsonaro segue firme no segmento evangélico (27% da amostra), com 62% sendo contrários à renúncia e 64%, ao impeachment. Os números caem entre católicos (52% dos ouvidos) para 49% e 51%, respectivamente.


A pesquisa Datafolha foi realizada por telefone nos dias 20 e 21 de janeiro, com 2.030 brasileiros adultos que possuem telefone celular em todas as regiões e estados do país. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.      

Família de jovem estuprada e esfaqueada em Caxias saiu da Maré por causa da violência

 Segundo o site https://odia.ig.com.br: Rafaella Horsth foi violentada e morta a facadas na rua de casa, na última quinta-feira

Rio - A família de Rafaella Horsth, de 19 anos, tinha se mudado da favela Nova Holanda, no Complexo da Maré, há pouco mais de um ano por causa da violência. Os pais da jovem, que foi morta esfaqueada após ser estuprada na rua de casa em Duque de Caxias, na última quinta-feira, quiseram fugir da violência do conjunto de favelas da Zona Norte do Rio.

"Eles se mudaram em dezembro de 2019 para tirar minhas irmãs da favela. As coisa estão mudando muito, então, a gente sai da comunidade em busca de algo melhor, foi o que eles fizeram", conta a contadora Nathalia Horsth, 27, irmã de Rafaella, que continua morando na Nova Holanda.




                                           Rafaella tinha apenas 19 anos

Membro de uma das maiores quadrilhas de agiotagem do RJ é preso

 Segundo o site https://odia.ig.com.br: Adriel Souza da Silva, o Tubarão, tinha 16 mandados de prisão preventiva e era investigado em sete delegacias do estado

Rio - A 76ª DP (Niterói) prendeu, na noite desta sexta-feira, um integrante de uma das maiores quadrilhas de agiotas do Rio de Janeiro. Adriel Souza da Silva, conhecido como Tubarão, tinha 16 mandados de prisão preventiva pelos crimes de extorsão, organização criminosa e associação criminosa expedidos pelas Varas Criminais de Queimados e de Nova Iguaçu. Ele estava na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Colubandê, em São Gonçalo, na Região Metropolitana, quando foi capturado pelos policiais.

De acordo com a Polícia Civil, o homem era investigado em inquéritos instaurados em sete delegacias do estado: 52ª DP (Nova Iguaçu), 40ª DP (Honório Gurgel), 18ª DP (Praça da Bandeira), 59ª DP (Duque de Caxias), 55ª DP (Queimados), 19ª DP (Tijuca) e 21ª DP (Bonsucesso). O suspeito estava foragido da Justiça há 7 anos, segundo a Polícia Civil.

Ainda de acordo com os policiais, Adriel foi localizado após informações do setor de inteligência da unidade, que apurou que ele estava tentando atendimento médico em uma unidade de saúde. Os policiais, que estavam de prontidão na delegacia, imediatamente se dirigiram para o local indicado, onde o acusado acabou sendo localizado e preso. Ele vai responder por extorsão, organização criminosa e associação criminosa. Não houve confronto durante a ação que resultou na prisão.  Ele será encaminhado ao sistema prisional onde permanecerá preso e a disposição da justiça.
PUBLICIDADE
Em maio de 2015, Adriel já tinha sido preso em flagrante, pelo crime de posse ilegal de arma, em uma operação realizada por policiais da 19ª DP (Tijuca). Na ocasião, 19 integrantes de uma quadrilha especializada em praticar agiotagem foram presos. Também na época, o delegado Deoclésio de Assis, que comandava a delegacia da Tijuca, informou que a quadrilha atuava desde 2001 nos bairros do Centro, Tijuca, Méier, Madureira, na Baixada Fluminense e em Maricá, no Leste Fluminense. 

Paciente sedada é abusada sexualmente em hospital municipal de Caucaia

 Segundo o site https://diariodonordeste.verdesmares.com.br: A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Estado do Ceará (SSPDS) apura o caso como estupro de vulnerável

Uma paciente foi abusada sexualmente, na última quarta-feira (20), enquanto esteva internada no Hospital Municipal Abelardo Gadelha da Rocha, em Caucaia, na Região Metropolitana de Fortaleza. A vítima estava sedada quando foi molestada por um técnico de laboratório. 

Em nota, divulgada na sexta-feira (22), a instituição informou que o suspeito trabalhava em uma empresa terceirizada que presta serviços à unidade. 

Segundo a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Estado do Ceará (SSPDS), o crime, tipificado como estupro de vulnerável, é apurado pela Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) do município. Os detalhes da investigação estão sob sigilo. 

Segundo o Hospital, após tomar conhecimento do caso, a direção fez um Boletim de Ocorrência (B.O) para denunciar o crime. Além de comunicar o ocorrido ao Procurador Geral do Município (PGM), que determinou a instauração de sindicância para apurar eventuais responsabilidades, e ao Ministério Público (MP). 

O que diz o hospital

“Com muita honestidade e lisura, a direção informou a família da vítima o ocorrido. Diante de um fato criminoso e inadmissível, a direção do Hospital pediu o imediato afastamento do cooperado. Nos solidarizamos com a família da vítima e disponibilizamos todo atendimento psicológico e social tentando com isso minorar o sofrimento da vítima e sua família”, informou em nota assinada pelo diretor do hospital, Zózimo Medeiros.

Prefeitura de Surubim vacina os idosos do Lar Amélia França conhecido como abrigo dos velhos.

 Segundo o site Assessoria de Imprensa Prefeitura de Surubim PE: Na tarde de hoje (22) foi a vez de vacinar os idosos do Lar Amélia França contra a COVID-19. É renovada a esperança de que dias melhores virão!


Nosso plano municipal de vacinação segue as orientações do Ministério da Saúde e em breve toda nossa gente estará vacinada. Mas enquanto isso, continuamos fazendo o uso de máscara e álcool 70% em gel ou líquido.

Vamos juntos(as) na luta contra a COVID-19!

Mãe descobre por vídeo que marido estava abusando da própria filha e o denuncia

 Segundo o site https://olivre.com.br: Ela encontrou um vídeo das partes íntimas da filha no celular do marido, que é pai da criança

A mãe de uma criança de oito anos procurou a polícia em Cáceres (220 km de Cuiabá) nessa sexta-feira para denunciar o marido, de 39 anos, por ele estar abusando sexualmente da filha do casal.

Segundo relato da mãe, ela queria assistir um filme com o marido e pegou o celular dele para isso, mas quando foi olhar os vídeos na galeria do celular, encontrou um vídeo em que ele havia filmado as partes íntimas da própria filha, de oito anos.                                            Quando viu o que a esposa havia encontrado, o suspeito ficou muito nervoso, começou a gritar e a ameaçar a esposa dizendo que iria matá-la, deu um soco na testa dela e jogou o celular na parede, tentando quebrá-lo.

A mãe acionou a polícia imediatamente e o pai fugiu da casa. Ela então foi conversar com a filha, que contou que pela manhã estava com dor de cabeça, o pai lhe deu um remédio, trancou a porta da casa, a colocou na cama e deitou em cima dela.

A criança disse, ainda, que isso já havia acontecido outras vezes.

Uma equipe da Polícia Militar foi até a casa, ouviu a mãe e registrou um boletim de ocorrência por estupro de vulnerável contra a criança e lesão corporal e ameaça contra a mãe. 

Menino de 6 anos desaparecido em Pacatuba é encontrado em Caucaia com o homem que espancou a mãe

 Segundo o site https://diariodonordeste.verdesmares.com.br: A criança foi levada para o Conselho Tutelar. O suspeito foi preso em flagrante

O menino de seis anos de idade que estava desaparecido desde o dia 12 de janeiro, após sua mãe ter sido espancada a pauladas pelo companheiro em um sítio no bairro Alto Fechado, em Pacatuba, foi encontrado na noite desta sexta-feira (22), em Caucaia. A criança estava com o padrasto, Antônio Giliarde Araújo de Souza, 25 anos, que já responde por roubo. Ele foi preso em flagrante.

Segundo a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), os dois foram encontrados em Capuan, um bairro de Caucaia, na casa de uma pessoa que o suspeito conheceu há poucos dias e lá mesmo. Quando os policiais civis chegaram ao local, o menino estava deitado em uma cama na sala da residência. Priscila Sacha Rufino, 32, que responde por furto, foi conduzida à delegacia junto à Giliarde e autuada por subtração de menor.

Em depoimento aos policiais, o suspeito relatou que, depois que espancou a companheira, fugiu com a criança — que tem transtornos mentais — para Caucaia, pedindo carona na estrada.

A localização do suspeito foi possível após um telespectador ver a divulgação do desaparecimento da criança pelo Sistema Verdes Mares.

A operação que localizou a criança e prendeu o suspeito envolveu policiais das Delegacias Metropolitana de Maracanaú, 24º Distrito Policial, de Defesa da Mulher de Pacatuba (DDM – Pacatuba), 18º Distrito Policial (Jurema) e Metropolitana de Caucaia.