quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Projeto diga não as Drogas será realizado neste sábado(16) na cabaceira em Surubim pela Capelania Pastor Josenildo Araujo

A Capelania Eclesiástica do Brasil, Realiza neste sábado(16) no semáforo da cabeceira em Surubim-PE, O projeto diga não as drogas, O projeto terá início às 9;00hs da manhã!!!!! Cobertura Completa do Blog Visão Surubim!!!

Cantora mirim Lais Ellen pede ajuda nas redes socais ao apresentador do Domingo Show Geraldo Luiz

Garotinha Cantora Evangélica Lais Ellen tem 12 anos e mora em Vertentes Pernambuco e faz um apelo nas redes sociais para que  Geraldo Luís do Sacramento, conhecido artisticamente por Geraldo Luís, (Limeira, 13 de maio de 1971) é um apresentador e jornalista brasileiro. Geraldo tornou-se conhecido por apresentar na RecordTV o telejornal Balanço Geral SP, com o bordão "Balança". Em 2009, Geraldo retirou-se do comando do Balanço Geral e, após dois meses de férias, estreou um programa diário chamado Geraldo Brasil. Após 5 meses, o programa saiu do ar. Em 2012, Geraldo volta a apresentar o Balanço Geral SP. [1] Em 2014, Geraldo Luís deixou o Balanço Geral para dedicar-se ao Domingo ShowPois bem o sonho desta Cantora Mirim para ter a oportunidade de poder estar no programa ao Vivo Domingo Show para mostrar o seu trabalho para o mundo

Homem filma momento em que esposa é atacada por tubarão

Segundo o site https://www.noticiasaominuto.com.br/mundo: Casal passava lua de mel no Caribe Homem filma momento em que esposa é atacada por tubarãoAmulher foi mordida no braço enquanto mergulhava em um cardume de peixes no Caribe. O casal recém-casado dos EUA passou uma lua de mel arrepiante no Caribe, depois que um tubarão atacou a esposa enquanto ela mergulhava. O ataque foi gravado na câmera do marido. A gravação mostra como Sarah Illig foi mordida em um de seus braços por um tubarão quando estava nadando em um cardume de peixes. A mulher ficou em estado de choque após o ataque, informa o jornal The Mirror.
Inicialmente, Sarah achava que era uma piada do seu marido. Na entrevista para o jornal britânico, Sarah disse que quando estava mergulhando sentiu uma corrente de água, algo no braço e pensou que o marido estava brincando. Mas passando alguns segundos, ela percebeu que doía, por isso "olhei além dos meus óculos protetores que bloqueavam minha visão lateral, e vi o tubarão pegando meu braço", acrescentou. 
Sarah, cidadã de Charleston, Carolina do Sul (EUA), disse que puxou seu braço quando o tubarão de 1,5 metros a soltou. A mulher acrescentou que este tipo de tubarão nunca morde se não for provocado, mas desta vez a situação teve outro cenário. Com informações da Sputnik News Brasil.                                                                                       

Só liminar pode salvar Lula, analisam aliados e rivais

Segundo o site https://www.noticiasaominuto.com.br/politica: Julgamento em segunda instância do ex-presidente foi marcado para 24 de janeiroSó liminar pode salvar Lula, analisam aliados e rivaisAmarcação do julgamento em segunda instância do ex-presidente Lula para 24 de janeiro mexeu com os ânimos tanto de aliados quanto de rivais do petista, segundo os quais só uma liminar concedida por um ministro de corte superior anulando a decisão conseguiria liberá-lo para a disputa eleitoral de 2018.                                                            De acordo com o jornal Folha de S. Paulo, integrantes do PT avaliam que a defesa do ex-presidente deveria apelar ao Conselho Nacional de Justiça alegando ocorrência de "velocidade seletiva" na tramitação do processo no TRF-4.
O julgamento ocorrerá após decisão em primeira instância do juiz Sergio Moro que condenou Lula a nove anos e meio de prisão pelo caso do tríplex no Guarujá.   

Sem-abrigo hospitalizado após ser agredido por três jovens no Funchal

Segundo o site https://www.noticiasaominuto.com: Agressão aconteceu esta terça-feira à noite nas proximidades do Madeira Shopping, no FunchalSem-abrigo hospitalizado após ser agredido por três jovens no FunchalUm homem sem-abrigo foi esta terça-feira hospitalizado, no Funchal, depois de ter sido agredido por três jovens. A vítima sofreu um corte na cabeça e, de acordo com fonte dos Bombeiros Municipais do Funchal, disse ter sido agredida com um ferro, assim como alvo do arremesso de outros objetos.                                                                                       O homem recebeu os primeiros socorros no local, sendo depois transportado para o hospital.
A agressão, que foi primeiramente avançada pelo Dnotícias.pt, ocorreu nas proximidades do Madeira Shopping, no Funchal, junto a um dos acessos. O alerta para o incidente foi dado às 21h26.
Os agressores, que serão menores de idade, já foram identificados pelo Comando Regional da PSP.
Este episódio ocorre na mesma semana em que um vídeo de um sem-abrigo a ser empurrado para dentro de um contentor do lixo, na Amadora, foi amplamente partilhado nas redes sociais, gerando indignação. 

Gravação de amigo secreto da Record acaba em briga

Segundo o site https://www.noticiasaominuto.com.br: Convidadas para a plateia do programa foram barradas na porta e chamaram a políciaGravação de amigo secreto da Record acaba em brigaAgravação do especial de fim de ano da Record, que envolve o tradicional amigo secreto entre os famosos, acabou virando caso de polícia nesta terça-feira (12).                    Segundo o site Notícias da TV, muitas convidadas para a plateia do programa foram barradas na porta da emissora e chegaram a chamar a Polícia Militar.
A produção da Record convidou as organizadoras de caravanas para que participassem da plateia. Porém, elas foram proibidas de entrar por um erro de cálculo, afinal o número de convites foi maior do que a capacidade do estúdio.
De acordo com a reportagem do site, houve gritaria, empurrões e ameaças, e cogitaram processar a emissora, em especial dois de seus funcionários, a quem acusaram de maus-tratos e exposição ao ridículo. 

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

As mulheres que estão transformando o futebol em Recife

Segundo o site https://mdemulher.abril.com.br: Conheça o time de futebol feminino que desafia preconceitos na capital pernambucanaPelada de mulheres incentiva a ocupação do espaço público para prática esportiva (Giselli Carvalho/Divulgação)
No Recife, capital pernambucana, futebol é coisa de quem quiser jogar. É o que deixa bem claro o Aurora Futebol Clube, iniciativa de um grupo de mulheres que decidiu ocupar, com o esporte bretão, uma quadra na Rua da Aurora, no Centro do Recife, todas as segundas-feiras à noite. O projeto #hellocidades, oferecido pela Motorola, convida você a fazer como as meninas: se reconectar com a cidade e aproveitar o que tem de melhor no Recife e em suas ruas.
Em janeiro de 2018, o grupo de peladeiras comemora aniversário de dois anos de muitos gols. A história começou em 2016, com um pequeno grupo formado por meninas conhecidas e desconhecidas que resolveu se juntar para jogar bola. “Inicialmente, a pelada iria acontecer na quadra de um prédio, mas tivemos problemas para nos reunirmos no condomínio de uma amiga, em razão da alegação de impedimentos de regimento condominial, e daí pensamos, no mesmo dia, em ver se a quadra pública da Aurora estava vaga. Éramos entre oito e nove mulheres”, conta a advogada e organizadora do Aurora FC Andrielly Gutierres, 24 anos, que está no grupo desde o início.
Desse dia em diante, o clube se reúne às segundas, das 18h30 às 21h30, na quadra pública, em um jogo aberto a todas que quiserem chegar. “A proposta da pelada é ser recreativa, receptiva e pública”, diz Andrielly. Para participar, não é necessário muito mais do que a vontade de bater bola e um celular em mãos: “Sempre avisamos pelo Instagram se a pelada do dia está confirmada e trocamos informações em um grupo de WhatsApp que atualmente possui 82 participantes. Lá, fazemos uma chamada para termos noção de quantas meninas poderão ir no dia”, explica a jornalista Marina Afonso, 26 anos, uma das responsáveis pela divulgação na rede social de fotos.
“Parodiando os nomes dos blocos de carnaval daqui do Recife e de Olinda, nos descrevemos como ‘Grupo Futebolístico Recreativo Feminino’, o que nada mais é do que um grupo de meninas que se encontram semanalmente para ter um momento de descontração por meio do futebol amador”, diz Marina.

Vencendo preconceitos

Apesar do sucesso da iniciativa, nem tudo foi tranquilo na trajetória do grupo de mulheres que abraçou o futebol como esporte. Machismo e preconceitos de toda espécie são comuns quando o trinômio futebol, bola e mulher se forma. “O preconceito no dia a dia vem muito por meio de piadas, como se o humor fosse um invólucro perfeito para isso. Hoje é difícil, embora ainda possível, encontrar alguém que afirme categoricamente que ‘futebol não é para mulher’”, revela Andrielly.Para jogar no Aurora Futebol Clube, basta aparecer com vontade de jogar e fazer novas conexões (Giselli Carvalho/Divulgação)
A também jornalista e fundadora do Aurora FC Larissa Brainer trabalha atualmente na ONG love.fútbol, que constrói campos e quadras de futebol em parceria com comunidades. Para combater o preconceito enfrentado pelo futebol feminino e fortalecer o espaço das mulheres no esporte, ela atua de forma direcionada. “Dentro da organização, lidero uma campanha permanente de promoção do futebol feminino chamada #JogaPraElas. A nossa ação mais recente foi a realização de uma roda de conversa sobre representatividade da mulher no futebol, parte de uma agenda de ciclos de debates que chamamos love.fútbol Talks”, explica Larissa.
“O futebol feminino é repleto de grandes talentos potenciais, mas sofre por falta de investimento dos clubes. Se no profissional é assim, no amador, então, nem se fala. O machismo e o preconceito são muito vivos”, diz Marina Afonso. Ela diz — e outras jogadoras são testemunhas — que o grupo já foi vítima de ofensas de homens que passavam pela Rua Aurora durante as partidas e que isso espalhou insegurança pelo grupo. Mas elas não retrocederam. “Lutamos para conquistar aquele espaço que é público e também é das mulheres e tentamos incentivar outras meninas a fazerem o mesmo”, reforça Marina Afonso.
Para Andrielly Gutierres, praticar o esporte pelo qual se interessou ainda criança é, além de uma ótima prática física e de integração, uma maneira de resistir aos preconceitos. “Acho que a valorização do futebol feminino passa por ações como essa do Aurora Futebol Clube de tentar tornar comum a prática do esporte por mulheres, sem o exotismo tão naturalizado”, diz.
Que tal aparecer para bater bola com as meninas do Aurora FC, conectar-se com outras pessoas com interesses comuns na cidade e ainda participar desse movimento de esporte e resistência? Pegue o seu celular, acesse o Instagram do grupo e fique por dentro das peladas. E registre sua experiência com a hashtag #hellocidades. Ocupe as ruas do Recife e reconecte-se com a cidade através do hellomoto.com.br.