Enchentes na África do Sul deixam quase 350 mortos

Segundo o site https://www.folhape.com.br/noticias: Foi decretado estado de calamidade na região da cidade de Durban

As inundações catastróficas na África do Sul deixaram pelo menos 341 mortos e afetaram cerca de 41 mil pessoas, segundo um novo balanço desta quinta-feira, enquanto filas se formavam nos necrotérios. 

A maioria das vítimas morreu na região da cidade de Durban, um dos principais portos africanos da província de Kwazulu-Natal (KZN, leste) e epicentro da tempestade que começou no último fim de semana. Foi decretado estado de calamidade

"Um total de 40.723 pessoas foram afetadas. Infelizmente, 341 mortes foram registradas", disse o ministro provincial Sihle Zikalala em entrevista coletiva. 

Mais de 100 corpos foram depositados no necrotério de Phoenix, nos arredores de Durban. 

"É demais", disse um dos funcionários que não quis ser identificado, falando das filas de famílias que vinham trazer seus mortos. Os enterros estão proibidos até que a planície de inundação se estabilize. 

As chuvas, que atingiram níveis não vistos em mais de 60 anos, derrubaram pontes e estradas e cortaram grande parte desta região costeira do Oceano Índico. Mais de 250 escolas foram afetadas e milhares de casas foram destruídas

As autoridades anunciaram a abertura de cerca de 20 abrigos de emergência para mais de 2.100 pessoas sem-teto. 

Enquanto esperavam para serem resgatados, milhares de sobreviventes foram deixados à própria sorte. "Não há ninguém aqui para nos ajudar", disse Thobele Sikhephen, 35, do lado de fora de sua casa cheia de lama. 

Também houve protestos exigindo ajuda. Em nota, as autoridades de Durban pediram “paciência”, explicando que os esforços de socorro foram abrandados “devido à magnitude dos danos nas estradas”. 

Algumas estradas foram demolidas e reabertas, mas a maioria permanece inacessível, cheia de detritos ou encharcada de água marrom. As autoridades pediram à população que evite ao máximo o contacto com a água potencialmente “contaminada”.

Quatro dias sem água ou luz

No gueto de Amaoti, ao norte de Durban, onde a maioria das casas é feita de ferro ou tábuas de madeira, pessoas enchiam baldes com água potável de canos expostos após o desabamento de um grande trecho de uma estrada. 

Em algumas áreas, a água e a eletricidade foram cortadas por quatro dias e tudo está faltando. As autoridades locais lançaram um apelo para doações de alimentos não perecíveis, água engarrafada e qualquer outra coisa para se aquecer. 

Também houve saques e imagens de câmeras de vigilância compartilhadas nas mídias sociais mostrando pessoas invadindo as prateleiras dos supermercados. 

No porto, guindastes recolhiam os enormes contêineres de metal que as chuvas do dia anterior haviam jogado na rodovia. Esta região já experimentou uma destruição maciça em julho, durante uma onda sem precedentes de tumultos e saques. 

As previsões meteorológicas apontam para tempestades e risco de inundações localizadas no fim de semana da Páscoa. 

As novas tempestades também devem afetar as províncias vizinhas de Free State (centro) e Eastern Cape (sudeste). 

As autoridades falaram de "uma das piores tempestades da história do país", enquanto o presidente Cyril Ramaphosa lamentou "um desastre de enormes proporções".

Postar um comentário

0 Comentários