Guerra na Ucrânia é uma 'repetição' da Síria, diz Anistia Internacional

 Segundo o site https://www.folhape.com.br/noticias: Anistia denuncia um aumento dos crimes de guerra após pouco mais de um mês de conflito

invasão russa da Ucrânia é uma "repetição" da guerra na Síria, alertou, nesta terça-feira (29, noite de segunda em Brasília) a Anistia Internacional, que denuncia um "aumento dos crimes de guerra", após mais de um mês de conflito.                                                                            "O que ocorre na Ucrânia é a repetição do que se viu na Síria", declarou à AFP a secretária-geral da AI, Agnès Callamard, durante a apresentação em Joanesburgo do relatório 2021-2022 sobre a situação dos direitos humanos no mundo. 

"Estão ocorrendo ataques intencionais contra infraestruturas civis, residenciais" e bombardeios de escolas, e acusou a Rússia de proporcionar corredores humanitários para transformá-los em "armadilhas mortais".                                                                                                        Comparando Mariupol, no leste da Ucrânia, com a cidade síria de Aleppo, devastada pelas atrocidades do regime de Damasco apoiado pela Rússia em uma guerra que já dura 11 anos, a organização denunciou "o aumento dos crimes de guerra" na Ucrânia. 

"Nossos pesquisadores 'in loco' documentaram durante dez dias o uso das mesmas táticas de Síria e Chechênia", como o ataque contra civis e o uso de munições proibidas pelo direito internacional, assinalou Marie Struthers, diretora de Anistia Internacional para a Europa do Leste e a Ásia Central, em coletiva de imprensa em Paris.  

A "insolência" mostrada pela Rússia para lançar este ataque foi facilitada por "um sistema internacional que está de joelhos" e o fracasso das instituições, entre elas o Conselho de Segurança das Nações Unidas, na hora de tratar das guerras anteriores, disse Callamard. Ela também lembrou que, em tempos de pandemia, os conflitos continuaram, especialmente em Etiópia, Mianmar e Afeganistão. 

"Frente à Rússia não pode haver neutralidade", disse, ao se referir aos chefes de Estado africanos.  

Durante a votação de uma resolução da ONU na qual se pedia, no início de março, a retirada das forças russas, cerca de 20 países africanos se abstiveram.  

Uma das vozes do continente em matéria de diplomacia, o presidente sul-africano Cyril Ramaphosa defende a mediação, e adota uma posição "fraca, pouco histórica e pouco visionária", lamentou Callamard.  

Após dois anos de pandemia de coronavírus, a Anistia Internacional denunciou ataques contra os direitos humanos com o pretexto de lutar contra a propagação do vírus.    

Postar um comentário

0 Comentários