quinta-feira, 19 de novembro de 2020

Pernambuco tem maior consumo de comidas ultraprocessadas e de refrigerantes no Nordeste, diz IBGE

 Segundo o site https://g1.globo.com/pe/pernambuco: Dados fazem parte da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) 2019: "Percepção do estado de saúde, estilos de vida, doenças crônicas e saúde bucal". Trabalho foi divulgado nesta quarta (18).

Os pernambucanos são os maiores consumidores de refrigerantes e de alimentos ultraprocessados em todo o Nordeste. Além disso, a realização de atividades físicas no lazer está abaixo da média nacional. Essas informações fazem parte de uma pesquisa divulgada nesta quarta (18) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) 2019: "Percepção do estado de          saúde, estilos de vida, doenças crônicas e saúde bucal" foi feita a partir                de um trabalho realizado com o Ministério da Saúde. As equipes                 coletaram os dados entre 26 de agosto de 2019 e 13 de março                           de 2020.

Sobre o consumo de produtos ultraprocessados, o IBGE apontou                     que esse hábito alimentar é adotado por 11,9% da população               pernambucana, contra 8,8% da média regional. No Brasil, a média                       é de 14.3%.

O percentual sobe entre os jovens de 18 a 24 anos e fica em 23%.                 Além disso, 10,7% dos habitantes do estado relataram consumo                   excessivo de sal.

Em relação ao consumo de refrigerantes, 7,3% do pernambucanos                tomavam a bebida cinco ou mais vezes por semana, contra 5,2%                       da média regional. No Brasil, o índice é ainda mais alto: 9,2%.

Os sucos de caixinha, em lata ou em pó são utilizados por 6,8%                        da  população do estado, a mesma média da região.                                              Ainda de acordo com o IBGE, a pesquisa abordou o consumo regular                    de bolos, tortas, chocolates, gelatinas, balas, biscoitos ou bolachas            recheadas, em cinco dias ou mais na semana.

No estado, 13,9% dos habitantes se enquadravam nessa situação.                       O resultado fica acima da média nordestina (11,8%), mas abaixo                       do Brasil (14,8%).

Quanto mais jovem a faixa de idade, maior é a compra de                        guloseimas: 24,5% dos pernambucanos de 18 a 24 anos comiam frequentemente, ao menos um desses produtos, contra 9,6%                              dos idosos.

O Recife é a terceira capital brasileira com os maiores índices (18,8%),           atrás apenas de Porto Alegre (RS) e São Paulo (SP).

Alimentos saudáveis

Segundo o estudo, em Pernambuco, 9,8% das pessoas consumiam                   ao menos 25 porções de frutas e hortaliças, incluindo sucos, por                         semana. Essa taxa ficou acima da média nordestina (9%).

O índice foi considerado mais abaixo do que a média nacional, de                         13%. A frequência de mulheres (11,3%) com esse padrão de                   consumo, recomendado pela Organização Mundial de Saúde                     (OMS), era maior que a dos homens (8%).

O consumo de frutas aumenta com a idade e com o grau de                         escolaridade. As pessoas de 18 a 24 anos de idade 7,7% tinham                        o consumo recomendado. Para as pessoas de 60 anos ou mais de                idade, o percentual foi de 13,3%.                                                                              O maior percentual registrado foi entre as pessoas com ensino               superior completo (17,9%), contra 7,7% das pessoas sem                             instrução ou com fundamental incompleto.

O feijão é mais popular entre os pernambucanos: 72,9% o                            consomem regularmente, ou seja, cinco ou mais dias por                               semana.

Entre os homens, o percentual era ainda maior: 79,4%, contra                             67,6% entre as mulheres. No Recife, a proporção é inferior:                                   56,7%. Quanto ao consumo de peixes, 58,2% de                         pernambucanos o fazem ao menos uma vez por semana.

Estudo

Um estudo divulgado em novembro de 2020 pela Universidade                         Federal de Pernambuco (UFPE) relacionou o consumo de                      alimentos ultraprocessados na infância o desenvolvimento                                  de obesidade e hipertensão.

O trabalho foi desenvolvido no Programa de Pós-Graduação em                Nutrição por Tafnes Oliveira. Realizada entre setembro de 2018                           e novembro de 2019, a pesquisa avaliou 164 crianças, de 7 a                            10 anos, de cinco escolas públicas de Vitória de Santo Antão,                          na Zona da Mata.

O estudo apontou que uma contribuição aumentada deste tipo                          de  alimento foi positivamente associada à densidade energética,                         a partir da adição de açúcar, sódio e gorduras totais e trans,                           além de ser associado negativamente com o consumo de                       proteínas e fibras.

Segundo a autora, alimentos ultraprocessados são formulações                           industriais feitas com várias etapas de processamento, incluindo                          alguns ingredientes que fazem a comida mais saborosa, durável                           e baratas.

Ainda de acordo com o trabalho, doenças relacionadas ao                            consumo de alimentos com essas propriedades, a obesidade e                            a hipertensão arterial sistêmica, são problemas de saúde pública                        com aumento da  prevalência em crianças e adolescentes em                         todo o mundo.

Segundo dados do estudo, “entre 1975 e 2016, a obesidade em                       crianças e adolescentes (5 a 19 anos) aumentou mais de dez                       vezes, de 11 milhões para cerca de 124 milhões no mundo".                                  No Brasil, Brasil, estima-se que, em 2016, a prevalência de                                 obesidade em meninas e meninos (5 a 9 anos) foi de 12,4% e                              17,6%, respectivamente.

Além disso, a prevalência mundial de hipertensão em crianças e                            adolescentes foi de 4%, com uma tendência de aumento da                                  prevalência nas últimas duas décadas.

As estimativas nacionais apontam variação de 2,1% a 8,6%                              em crianças em idade escolar e, ainda, sabe-se que a obesidade                         e a hipertensão arterial na infância pode persistir na adolescência                         e na idade adulta.

O estudo aponta que um levantamento realizado com crianças                brasileiras (até 10 anos) mostrou que quase metade das calorias                         ingeridas (47%) foi fornecida por alimentos ultraprocessados.

Para a autora, os resultados reforçam a necessidade de                  implementação de estratégias preventivas de educação                              alimentar e nutricional no ambiente escolar.

O estudo aponta que o aumento no consumo de alimentos                                não processados ou minimamente processados deve ser                               enfatizado, contribuindo para a prevenção e o tratamento da                     hipertensão em crianças.

Exercícios

A pesquisa do IBGE também abordou a prática do nível                      recomendado de atividade física no lazer. Esse hábito foi                                   informado por 27,5% dos adultos pernambucanos, sendo                                  31,1% dos homens e 24,5% das mulheres. Este é o segundo                               pior índice do Nordeste e o sexto mais baixo do país.

Esse indicador tende a crescer com o nível de instrução e a                            diminuir para as idades mais elevadas. A proporção de pessoas insuficientemente ativas, que não praticaram atividade física ou                              se exercitaram por menos de 150 minutos por semana, atingiu                               quase metade da população (46,3%) e foi a quarta maior média                            do país.

Pessoas fisicamente ativas no trabalho são aquelas que andam                           a pé, fazem faxina pesada, carregam peso ou fazem esforço                        físico  intenso, durante 150 minutos ou mais na semana. No                                estado, 38,2% dos adultos estavam nessa condição, sexta                            menor porcentagem do Brasil.                                                                                    A pesquisa também abordou o consumo de bebidas alcoólicas                           no Brasil. Sobre esse item do estudo, 22,2% dos maiores de                             18 anos em Pernambuco têm esse hábito, ao menos, uma vez                                por mês. Ao todo, 19,1% bebem, no mínimo, uma vez por                      semana, abaixo da média nacional, de 26,4%.

No Recife, esses percentuais crescem para 34,2% e 28,5%,                          respectivamente. O consumo abusivo de álcool no mês anterior                          ficou em 15,5% da população, mas foi maior entre homens                                   (24,8%) do que entre mulheres (7,9%).

Cigarro
A pesquisa do IBGE estimou que                 11,3% da população pernambucana,                  ou 800 mil pessoas, consumiam                         algum produto derivado do tabaco,                     fumado ou não fumado, de uso diário                   ou ocasional.                                                            O levantamento detectou também que                  715 mil pernambucanos com mais de                18 anos, ou 10,1% do total, fumavam diariamente, sendo 13,2% homens                        e 7,5%, mulheres.

A média de consumo é de 11,2 cigarros por dia. Além disso, de                           acordo com a pesquisa, 9,5% dos adultos pernambucanos e                                 12,9% dos recifenses com mais de 18 anos fumavam cigarros                 industrializados, o maior percentual do Norte e Nordeste em                       ambos os casos.

A proporção de pessoas que fumam                  todos os dias é ainda maior no Recife,              com 11,6%, a maior proporção das                  capitais do Norte/Nordeste e o quinto                maior montante das capitais            brasileiras. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário