'Bolsonaro está mudando o país. É natural a indignação da esquerda'

Segundo o site https://noticias.r7.com/brasilPara o empresário Leandro Ruschel, defensor do governo nas redes sociais, o ritmo é lento, mas o Brasil está no caminho certoLeandro Ruschel faz sucesso com  vídeos no YouTubeLeandro Ruschel é um gaúcho com 39 anos que alterna sua vida entre Brasil e Estados Unidos e é sócio-fundador de duas empresas: a Liberta Global, que ensina brasileiros a operar no mercado de ações americano, e o Grupo L&S, que já treinou mais de 40.000 investidores. Mas ele atingiu mais de 300 mil seguidores no Twitter e vídeos no YouTube com mais de um milhão de visualizações por outros motivos.
Ruschel tornou-se conhecido nas redes sociais por abominar o PT e os petistas, por citar o pensador Olavo de Carvalho e por críticas ásperas à imprensa. Para ele, jornalistas atacam tudo o que está relacionado ao governo federal e ao presidente Jair Bolsonaro, e fazem isso porque são de esquerda. Assim como os professores, principalmente os de universidades públicas.                                      Também defende a proposta de escolas sem partido.
É a favor das pautas liberais e de muitos pontos da chamada agenda de costumes do governo.
Mais importante do que os tropeços é o caminho, acredita. “Bolsonaro mudou todos os paradigmas, está mudando o país. É natural a indignação e frustração da esquerda.”
Acha que o Brasil segue o rumo certo nas mãos de Bolsonaro e de seu ministro da Economia, Paulo Guedes. “Mas podia estar num ritmo mais acelerado. Talvez por tantas dificuldades criadas pelo Congresso, as coisas demorem a acontecer. De qualquer forma, estou otimista.”
O empresário se mostrou favorável à investigação do senador Flávio Bolsonaro, mas defendeu o vereador Carlos, o outro filho do presidente, pela postagem recente que foi considerada um risco à democracia. “Ele só foi mal interpretado.”
Veja mais trechos da entrevista:
R7 - As mudanças prometidas pelo governo na área econômica estão acontecendo, e no ritmo que você esperava?
Ruschel - Eu esperava um ritmo bem mais acelerado, mas se perde muito tempo na tramitação das reformas na Câmara, com a tentativa de passar emendas o tempo todo que só servem para adiar a aprovação. Assim que se aprovar definitivamente a Previdência no Senado, mesmo com a redução do impacto nas contas menor do que o proposto pelo governo, vão entrar outras mudanças bem positivas. A MP da Liberdade Econômica, por exemplo, é uma reforma de base importante essencial para as empresas privadas. Assim como a reforma tributária.
R7 - Não lhe parece haver uma constante indecisão do governo sobre o que pretende fazer na economia? O caso da nova CPMF não é um exemplo disso? Uma hora o governo não a aceita, logo em seguida a anuncia.
Ruschel - Há duas coisas a levar em conta no caso da CPMF. É, sim, uma intenção do ministro Paulo Guedes, que considero equivocada por não combinar com uma economia liberal, mas também é uma medida com enorme carga impopular, o que explica o presidente não admiti-la. De um lado você tem uma busca de receita de um ministro e de outro o Bolsonaro pensando no quanto isso pode afetar sua imagem com a população. São duas forças. E o saldo, seja qual for a decisão, nunca vai ser positivo.
R7 - Você  sugere que tipo de mudança tributária no país?
Ruschel - Para mim, a solução é a simplificação do regime tributário, pegando os impostos que já existem, cortando alguns e simplificando outros. Mas não acho saudável a criação de novos tributos.
R7 - Além dos impostos altos, qual seria outra frente que o governo deveria atacar para mudar a economia do país?
Ruschel - O dinheiro público é mal administrado e gasta-se muito com funcionalismo. A gente tem que lembrar que a Constituição de 1988 criou uma série de questões obrigatórias ao Estado, com percentuais para a saúde, educação, mas não deu flexibilidade para esses gastos. Então o orçamento ficou todo amarrado. O Estado é obeso, não entrega o que deveria, os servidores não são premiados por qualidade e não há qualquer incentivo para que busquem resultados. Por isso o Estado nunca foi o propulsor do desenvolvimento nacional. Cabe à iniciativa privada buscar o crescimento.
R7 - O ministro Paulo Guedes também é contra o que chama de “dinheiro carimbado” e diz que os prefeitos sabem melhor do que o governo federal onde gastar. Essa concepção não eleva o risco de darmos força e dinheiro a políticos corruptos regionais?
Ruschel - Eu, como administrador, defendo sempre as unidades locais. Eu sei que no Brasil, principalmente em regiões mais pobres, há coronéis que detêm o poder e só fazem o que querem, para beneficiar seu grupo, mas contra isso deve haver fiscalização e cobrança. Descentralizar aumenta a importância regional nas decisões. Nos Estados Unidos, por exemplo, a segurança é feita por delegados e até juízes eleitos pela comunidade, a proximidade com o poder é real e não definida pelo governo central.                                                                  R7 - Como você avalia as constantes polêmicas criadas nesse governo. Discussões como a relacionada à beleza de Brigitte Macron, esposa do presidente da França, não atrapalham o andamento das mudanças prometidas pelo governo?
Ruschel - Sinceramente, acho que não. Muitas dessas polêmicas são na verdade cortina de fumaça de pessoas que querem tirar o foco do que realmente importa para elas, como é o caso da aprovação da Lei de Abuso de Autoridade, acertada nos bastidores do Congresso enquanto o país discutia outras bobagens. Mas, claro, sou contra comentário pejorativo contra esposa de presidente, esse tipo de coisa não leva a nada. Mas muita polêmica é exagerada também, a imprensa pinça uma única declaração do presidente e deixa de lado tudo o que o governo vem fazendo.
R7 - Você acha que a imprensa erra ao cobrar o governo?
Ruschel - Não, a imprensa está no papel dela de cobrar e exigir, mas destaca coisas dispensáveis e dá pouco espaço para temas importantes como a MP da Liberdade Econômica, extremamente importante, mas muito mal divulgada. Também é inegável que há dois pesos e duas medidas. Eu escrevi inclusive que achava engraçado o peso que estavam dando às movimentações suspeitas do Flávio Bolsonaro [o ex-assessor do filho do presidente, Fabrício Queiroz, movimentou R$ 1,2 milhão] e do David Miranda [deputado federal do PSOL, casado com Glenn Greenwald, editor do Intercept, que teria movimentado R$ 2,5 milhões]. O Flávio, por ser filho do presidente, não sai do noticiário, e o David Miranda, mesmo movimentando o dobro, mal aparece.
R7 - Não é natural que se cobre mais de um governo que afirmou que não aceitaria nenhum tipo de corrupto? Não aconteceu o mesmo com o PT quando chegou ao governo?
Ruschel - Em parte, eu concordo, também sou favorável a toda investigação. Se o Flávio é culpado, tem que ser condenado, mas é fato que a mídia é mais de esquerda. Passou anos aceitando tudo o que o PT fazia sem questionamentos e agora se sente frustrada.
R7 - Essa reação da imprensa contra o governo não é intensificada pela postura de Bolsonaro contra alguns meios de comunicação?
Ruschel - Sem dúvida isso acontece. Ele se defende atacando. Por estar ressentido pela forma como é tratado, ataca e a imprensa também responde, e isso vira um círculo vicioso sem fim.

R7 - Muita gente vê em declarações do presidente Bolsonaro, entre as quais a defesa do regime militar, uma ameaça à democracia. Você vê algum risco?
Ruschel - Não vejo, e digo mais. Acho que o termo democracia costuma ser utilizado por muita gente que quer fazer coisas erradas e se apoia nessa palavra e na defesa das instituições para justificar sua atitude. Quando o Supremo determinou a censura a uma publicação, por exemplo, alegou risco à democracia e às instituições. O Rodrigo Maia, acusado de falsidade ideológica na Lava Jato, fala em ataque ao Congresso quando é questionado por seus crimes. E sobre esse governo, não vi uma única atitude ou medida que tenha colocado a democracia em risco.     
"Talvez ele [Bolsonaro] passe a ter uma postura mais questionadora com os outros poderes agora que a Previdência vai ser aprovada e, assim, as coisas comecem a melhorar"                               R7 - Você concorda que o Brasil está dividido: quem é contra é totalmente contra o governo, quem é a favor é totalmente a favor? Esse Fla-Flu prejudica o governo?
Ruschel - Não acho ruim o Fla-Flu. Acho que no passado o que faltou foi esse Fla-Flu, mas não havia uma segunda opinião, todos aceitaram cegamente o que a esquerda fazia no poder. O Lula era o pai dos pobres, a esquerda dominou os debates e não admitia outra opinião para rever suas posições. Essa divisão do Brasil é importante e natural, afinal estamos acordando agora. Hoje todo mundo sabe, por exemplo, todos os nomes de ministros do Supremo, as pessoas têm opinião sobre vários assuntos, e antes não tinham.
R7 - Ao vetar, por exemplo, livros didáticos que citam identidade de gênero, a direita não está também admitindo uma única visão de mundo e encerrando o debate?
Ruschel - Mas não se coloca para debater esses assuntos crianças de quatro a cinco anos…
R7 - Um caso recente de veto a livros com essa abordagem ocorreu em São Paulo, quando apostilas do oitavo ano da rede estadual foram proibidas. Eram alunos de 13 a 14 anos, não tão jovens.
Ruschel - Eu não sei detalhes desse caso, mas, de qualquer forma, eram menores de idade, não acho correto discutir sexualidade com menores.
R7  - E contra a escola sem partido? Defender que alunos denunciem professores que ensinam conteúdos de esquerda também não é um contrassenso para quem defende visões múltiplas?
Ruschel - Há uma viés de esquerda inegável nas universidades, principalmente nas públicas. Acho salutar a discussão, mas não só com um viés ideológico. Eu recebo denúncias a todo momento de perseguições a pessoas que pensam diferente. Quem questiona sofre represálias. Sou a favor do máximo de discussão, o máximo de abertura, mas para todos os temas.
R7 - Tudo o que vem da esquerda é ruim?
Ruschel - Eu sinto falta de uma esquerda moderna, que sabe dialogar com moderação e pense em desenvolvimento do país. Há uma ala no Partido Democrata dos Estados Unidos que é considerada mais moderada, que vê e combate a ineficiência do Estado e que propõe melhorias para a economia. Entrevista com Olavo: mais de um milhão de viewsR7 - Você se considera um seguidor do escritor Olavo de Carvalho, conselheiro do presidente Bolsonaro?
Ruschel - Sim, eu o considero muito. Ele tem trabalhos profundos, mas muita gente se concentra nas partes polêmicas, nas declarações do dia a dia. Tem estudos sobre Aristóteles, por exemplo, cursos sobre filosofia política que as pessoas preferem ignorar. Eu fiz uma entrevista com o professor Olavo para o meu canal do YouTube em 2014 que fez muito sucesso. Nela, que já tem mais de uma milhão de views, ele antecipa tudo o que acabou acontecendo no país.
R7 - Você defende um segundo mandato para o presidente Bolsonaro?

Ruschel - Para mim as mudanças teriam de ser mais rápidas e mais profundas. Os corruptos tinham que ser presos. Temos um sistema viciado e fico preocupado com a sinalização de que a Operação Lava Jato está perdendo força . Ainda há muito a ser feito, mas hoje eu votaria, sim, num segundo mandato. Só quero mais tempo para analisar. Eu olho para o olho do Bolsonaro e sinto verdade, sinto que ele quer realmente mudar o país, mas é fato que o ritmo não é o que eu gostaria. Talvez ele passe a ter uma postura mais questionadora com os outros poderes agora que a Previdência vai ser aprovada e, assim, as coisas comecem a melhorar.
R7 - O filho do presidente, Carlos Bolsonaro, fez um post que causou polêmica no Twitter ao dizer que “pelas vias democráticas, as mudanças demoram mais”. Você concorda com ele?
Ruschel - Ele não quis dizer que defende a ditadura, ele afirmou que o ritmo vai ser lento. E demora porque o país precisa se reorganizar, é preciso afastar o totalitarismo de todas as instituições, é preciso cobrar mais de todos os poderes. Enquanto o Sergio Moro condenou 130 com a Lava Jato, o STF condenou um e cancelou a pena de duas pessoas. O Supremo não funciona e isso passa um sinal muito negativo para todos: ‘Se a Justiça não funciona, porque vou obedecer a lei?’
R7 - Você muitas vezes cita a classe política como atrasada e defensora do que há de pior no país, mas Bolsonaro ficou 27 anos no Congresso Nacional e é um representante dessa mesma classe. Você acha que ele tem o perfil para fazer as mudanças que você espera?
Ruschel - Sim, faz sentido essa análise e costumam utilizá-la para dizer que ele ficou 27 anos como deputado e não mudou nada, mas isso pode significar também que ele nunca fez parte desse jogo de fato. Quando ele se candidatou a presidente da Câmara ganhou cinco votos. O que mostra que ele nunca foi desse grupo.
R7 - Você perdeu amigos por causa de suas opiniões?
Ruschel - Como eu tenho esse perfil contestador, de defender certos pontos de vista mais conservadores, então já sofro isso há tempos. Eu criticava o Lula e era até xingado quando ele estava no auge da popularidade. Sobre as discussões, amigos se separando de amigos e familiares colocados à parte, acho inevitável que isso aconteça. A gente vem de governos que destruíram o país. O que aconteceu no governo da Dilma Rousseff foi um atentado econômico que causou muito sofrimento a todos. Então, eu entendo a indignação. 
R7 - Um de seus ex-amigos era o jornalista Rodrigo Constantino?
Ruschel - Nós começamos nos distanciando em relação às propostas do Bolsonaro, mas aí veio uma matéria dizendo que militantes pró-Bolsonaro, entre os quais eu, estariam perseguindo adversários do governo e seriam liderados pelo próprio presidente. E o Constantino era fonte nessa reportagem. Um absurdo, nunca houve esse trabalho. Eu decidi acionar judicialmente o jornal que publicou o texto e fui cobrar o Constantino. Ele não gostou e passou a me criticar depois disso. Eu estou sofrendo perseguição de seguidores dele por causa dessa briga porque recentemente ele fez um post dizendo que tenho motivações pessoais para defender o Bolsonaro, coisas assim.
R7 - Você, então, é vítima de perseguições. Mas essa não é uma tática desse Fla-Flu atual, que você diz não ser tão ruim?
Ruschel - Se eu achar que alguém falou ou fez uma coisa errada, sou obrigado a dizer algo. Nunca vou estimular violência ou incitar alguém a atacar outra pessoa. Mas sempre vou dar minha opinião, de forma dura, da maneira que eu achar necessário fazer.
 

    Comentários