quinta-feira, 31 de outubro de 2019

Inflação baixa e aprovação de reformas possibilitam mais cortes

Segundo o site https://portaldeprefeitura.com.br: Entidades esperam nova redução de juros.
A inflação abaixo da meta e a recente aprovação da reforma da Previdência possibilitam mais cortes de juros, informaram entidades do setor produtivo. Embora tenham aprovado a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, as entidades consideraram positiva a redução da taxa Selic, juros básicos da economia, para o menor nível da história.
Para a Confederação Nacional da Indústria (CNI), há espaço para reduções adicionais. Além da perspectiva de que a inflação feche 2019 abaixo de 4,25%, centro da meta para este ano, o avanço de medidas microeconômicas e de reformas estruturais, como a da Previdência, tem melhorado as condições da economia brasileira e a confiança no país.             A CNI também ressaltou que o cenário internacional continua favorável a novas reduções da Selic no Brasil. A entidade citou as recentes diminuições de juros em países desenvolvidos, como os Estados Unidos, como fator que possibilita novos cortes nos juros básicos brasileiros.
Fiesp
A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) também aprovou a decisão do Banco Central, mas destacou que existe espaço para pelo menos um corte adicional na Selic, para que a taxa encerre 2019 em 4,5% ao ano. Na avaliação da Fiesp, a retomada econômica lenta, a alta ociosidade e a inflação quase um ponto percentual abaixo da meta justificam a diminuição dos juros básicos. A entidade, no entanto, cobra o aumento na competição bancária para que as taxas mais baixas possam chegar ao consumidor final, com a diminuição dos spreads bancários, diferença entre a taxa cobrada pelos bancos do tomador final e a que as instituições financeiras pagam para captarem recursos.
“Após mais de um ano com a Selic no menor patamar histórico, iniciamos um novo processo de queda dos juros e, ainda assim, as taxas ao tomador final seguem altíssimas, como spread bancário tendo, inclusive, aumentado recentemente. É preciso atuar paralelamente em uma agenda de estímulo à competição bancária e diminuição dos spreads para aumentar o efeito da redução da Selic na retomada econômica e na geração de empregos”, destacou a Fiesp em nota.
Firjan
Em nota, a Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) também manifestou apoio à nova redução da Selic e também acredita que pode haver nova redução. De acordo com a entidade, o movimento vai na direção de estimular o crescimento da economia com a inflação sob controle. Na avaliação da Firjan, a atual conjuntura econômica e a aprovação da reforma da previdência abrem espaço para novas reduções da taxa básica de juros: “a Firjan acredita que a atual conjuntura econômica e a perspectiva de melhora do ambiente fiscal, em função da aprovação da reforma da previdência, abrem espaço para novas reduções da taxa de juros nas próximas reuniões.”
Para a entidade, é importante dar continuidade às reformas estruturais para o equilíbrio fiscal, em especial a inclusão de estados e municípios na reforma previdenciária. “A materialização dessas medidas e a permanente atuação responsável e transparente do Banco Central são fundamentais para a ancoragem das expectativas de inflação e a retomada sustentável do crescimento”, finalizou a nota.
Por: Agência Brasil   Economia
Bem vindo ao Player Audima. Clique TAB para navegar entre os botões, ou aperte CONTROL PONTO para dar PLAY. CONTROL PONTO E VÍRGULA ou BARRA para avançar. CONTROL VÍRGULA para retroceder. ALT PONTO E VÍRGULA ou BARRA para acelerar a velocidade de leitura. ALT VÍRGULA para desacelerar a velocidade de leitura.Ouça: Inflação baixa e aprovação de reformas possibilitam mais cortes0:00100%

Nenhum comentário:

Postar um comentário

FGTS: Quase 1 milhão aderem ao saque-aniversário; vale a pena?

Segundo o site  https://veja.abril.com.br :  VEJA selecionou pontos para serem levados em consideração na hora de optar se vale ou não a pen...