Universidade Metodista de São Paulo demite professores em massa

Segundo o site Assessoria de Imprensa Universidade Metodista de São Paulo: Ato em prol da educação e contra as medidas será realizado nesta quinta-feira (14)
Cerca de 50 professores já foram demitidos. Estima-se que o número chegará a 100
Cerca de 20 mil alunos serão prejudicados pela ação
Demissões acontecem meio à implementação das reformas trabalhistas e a um cenário de crise na educação no BrasilUniversidade Metodista de Sao Paulo - Rudge Ramos ...
A Universidade Metodista de São Paulo, referência em educação na região do ABC paulista, demitiu esta semana cerca de 50 professores, mestres e doutores, das três unidades localizadas na cidade de São Bernardo do Campo (SP). Dentre os cursos afetados estão a graduação e a pós-graduação (mestrado e doutorado) de Administração, Psicologia, Ciências da Religião e Comunicação Social, um dos mais atingidos pelas mudanças.

"Muitos alunos estão perdendo seus orientadores, provocando insegurança na comunidade acadêmica devido à dimensão do problema que a universidade vem passando. No mestrado em Comunicação, por exemplo, há teses a serem defendidas nos próximos meses e alunos que seriam encaminhados ao exterior por seus orientadores para cursar o doutorado. As demissões têm sido arbitrárias e não demonstram respeito por esses profissionais. Trata-se de mais um exemplo de descaso com a educação e com a produção científica no País", afirma Carlos Ferreira, representante dos alunos da pós-graduação em Comunicação Social da Metodista.

O curso de pós-graduação em Comunicação Social, que faz 40 anos em 2018 e é referência em pesquisa científica na área, foi praticamente desmontado após as demissões. Todos os professores dispensados possuem título de doutorado e extensa produção científica. Até a quarta-feira (13), aproximadamente 90% do corpo docente do mestrado e do doutorado já havia sido demitido.

A Instituição alega corte de gastos e perda de 3 mil alunos para justificar as demissões. Funcionários e docentes estão recebendo os salários com atraso há meses e, em alguns casos, o FGTS não é depositado desde 2015.

Outras universidades no País passam por crises semelhantes a da Metodista de São Bernardo do Campo. No Rio de Janeiro, a Universidade Estácio já demitiu centenas de professores. Na Unimep, Universidade Metodista de Piracibaca (SP), o cenário é o mesmo. O Centro Universitário Sant'Anna, de São Paulo (SP), também passa por crise, prejudicando o semestre de vários alunos.

Serviço:

Ato em prol da educação na Metodista

Dia 14 de novembro, às 18h

Rua Alfeu Tavares, 149, Rudge Ramos, em São Bernardo do Campo.

INFORMAÇÕES ADICIONAIS

De acordo com o Sindicato dos Professores do ABC (Sinpro ABC), ao menos 45 professores da Universidade Metodista de São Paulo foram demitidos neste semestre, desde que a nova gestão assumiu o comando da instituição.
Cursos que perderam professores: comunicação, educação, administração, psicologia e ciências da religião.
As demissões estão acontecendo nos três campi da universidade: – Vergueiro, Planalto e Rudge Ramos.
Os desligamentos de docentes começaram a acontecer no segundo semestre de 2017, logo depois que o novo reitor, o professor Paulo Borges Campos Júnior, assumiu o cargo de administrador da universidade.
Cerca de 60 orientandos estão sem orientadores (incluindo os alunos que já estão fazendo o curso e os aprovados no processo seletivo para iniciar em 2018), reflexo da demissão 8 de 11 professores, só no Programa de Pós Graduação em Comunicação. Existem várias outras demissões.
Para mais informações:

Renata Silidônio

(11) 99648-9757


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

General Heleno: “Vamos fechar o Congresso Nacional. Não existe nenhuma Democracia em nosso País mais.”

Noticia Urgente: Cantor Murilo Manoel de Moura sofre acidente de Moto e chega a óbito

Jovem morre em acidente de transito na PE 90 na cidade de Surubim