Header Ads Widget

header ads

Antes de se enforcar, o garoto de 13 anos escreveu essa carta. Seus pais querem agora que todos conheçam a sua história.

Segundo o site Não Acredito: Daniel Joseph Fitzpatrick, de Nova York, EUA, de apenas 13 anos, tirou a própria vida. Sua irmã, Kristen, de 17 anos, o encontrou enforcado com seu próprio cinto. Os pais Maureen e Daniel estão arrasados pela dor. Mas eles não querem permanecer em silêncio sobre o que aconteceu, pois o que levou seu filho ao suicídio foi o bullying.O garoto escreveu uma carta de despedida, que seus pais tornaram pública recentemente. Nela, Daniel descreve como seus (até então) amigos do sexto ano, de repente, se viraram contra ele, maltratando-o. "Anthony descontava tudo em mim. Todos os dias, John, Marco, José e Jack faziam bullying comigo, brigavam comigo, um dia até quebrei o dedo", escreveu Daniel em sua carta. Eles maltratavam o garoto por causa de seu peso, de suas notas, porque ele não era tão "forte" quanto os outros garotos. "Eu desisti… Os professores também não fizeram NADA"."A história do meu filho está aí para o mundo todo ver por quanta dor ele passou", disse o pai de Daniel em um vídeo de 18 minutos publicado em seu Facebook. "Nenhum pai deveria ter que enterrar seu filho. Nenhuma criança deveria passar pelo que o meu filho passou." No video, o pai do garoto, que também se chama Daniel Fitzpatrick, condenou tanto os garotos que faziam deliberadamente bullying, quanto a escola católica, que sempre dizia ao adolescente: "vai ficar tudo bem… essas coisas passam", sempre que Daniel buscava ajuda da direção.Daniel pai também falou diretamente aos pais dos garotos, cujos nomes seu filho escreveu na carta: "Eu espero que vocês nunca tenham que passar pelo que minha família está passando agora. Vocês podem abraçar seus filhos todo os dias e noites pelo resto de suas vidas. Eu não posso mais. Seus monstrinhos tiraram isso de mim e da minha família."Nesses momentos de dor e sofrimento, a família de Daniel quer, ao abrir sua história para mundo, chamar a atenção de todos para o bullying e suas consequências, que podem ser fatais. O garoto de 13 anos não pode mais ser salvo. Mas, quem sabe, se as pessoas derem ao assunto a devida importância, outras crianças e adolescentes que passam pelo mesmo sofrimento poderão ser ajudadas, a fim de evitar uma tragédia como a de Daniel e tantas outras.                                                                      

COMENTÁRIOS

Andrea Mara · 
meu deus quem faz isso nao tem amor proprio porque cada um e dojeito que e ponto se eu descubrir que na escola dos meus filhos tem isso eu tiro na hora e proseso a escola
CurtirResponder53 h
Rosangela Laino · 
A escola tinha que ter chamado a família desses monstrinhos e exposto o que vinha acontecendo, agora é tarde, mais ainda ha esperança, pois eles poden fazer trabalho social e amostrando a outras crianças que isso pode ser evitado. Triste realidade.
CurtirResponder63 h
Andrea Mara · 
verdade
CurtirResponder3 h
Cristina Maia · 
Que triste �, lamentável que existam seres tão desprezíveis!!!!!
CurtirResponder3 h
Cris Rozza · 
Isso está se tornando normal...
Já não é a primeira vez que leio sobre o mesmo ocorrido
Lamentável�                                                                                                                                                           
Rejane Teixeira · 
Trabalha na empresa Tim Celular
acho impressionante, ja sofri tanto na escola e em momento nenhum passou na minha cabeça de tirar minha própria vida. Jesus, la fora tem muito histórico de suicídios por causa de bullyng... sei la. acho q la fora ja é moda tirar a vida por causa de zuação de amigos
CurtirResponder2 h
Maria Veronica Pinheiro Martins · 
É um problema sério e que geralmente não termina bem. Nas escolas muitas crianças têm um comportamento diferente do que têm em casa e ainda tem o agravante da escola como um todo não agir com firmeza em se tratando do buillyng.
CurtirResponder2 h
Eduardo Dal Moro · 
Triste, é facil julgar, mas os pais tambem tem culpa. Nao acredito que eles nao perceberam que havia algo de errado com o filho deles, e se sim, deveriam ter investigado. Fica o Alerta pra nós que somos pais.
CurtirResponder2 h
Iolanda Soares · 
Que tristeza
CurtirResponder2 h
Ligia Faria · 
Esses anúncios são irritantes.
CurtirResponder1 h
Liliane Bohn · 
Trabalha na empresa Mãe em tempo Integral
Deveria de proceprocessar os pais dos monstrinhos.eles sim são culpados dos filhos ajirem desta maneira. Ou vai me dizer que não conversa com os filhos não pergunta pelos colegas ,como eles se conversam durante o dia.
CurtirResponder1 h
Monica Paraguassu · 
Pelo jeito o próprio não informou os pais do ocorrido, ele chegou a quebrar o dedo e que pais são estes q Não perceberam o dedo quebrado.
CurtirResponder1 h
Zeca Cavalcante · 
muito triste imagino a dor da familia,
terrivel.
Solange Moreno
AS ESCOLAS,, PROFESSORES,,NAO FAZEM NADA ,,MINHA FILHA SOFREU BULLYING E NINGUEM FEZ NADA,,EU RE CLAMAVA COM A DIRETORIA,,COM PROFESSORES,,ELES SÓ FALAVAM VAMOS TOMAR PROVIDENCIA E NAO FAZEM NADA
CurtirResponder43 min                                                                                                                                           Ana Lucia de Almeida
Esses pais nao perceberam nenhuma mudança no comportamento desse pobre garoto. A escola falhou concordo, mais na minha opinião esses pais tiveram sua parcela de culpa. Pais que acompanham seus filhos percebem quando algo de diferente esta acontecendo. Qual a relação desenvolvida ao longo desses 13 anos entre pais e filho... pq o garoto tinha coragem de buscar ajuda com os funcionários da escola e não comentava nada com os pais... não estou julgando e nem tão pouco culpando uns e absolvendo outros..o que aconteceu foi horrível e inadmissível . Mais hoje é bem comum famílias transferir para a escola a responsabilidade que lhes pertence...(nao digo aqui que esse é o caso, mais quero alertar sobre isso) a escola é para alfabetizar e em conjunto com a família auxiliar na educação, e cabe a família EDUCAR, dar amor, atenção, respeito,fortalecer a autoestima, o emocional da criança e assim desenvolver a boa relação familiar. Essa relação se constrói dia a dia e acredito que ao passar dos anos esses laços vão se estreitando. Precisamos cuidar, ficar atentos, buscar o diálogo principalnente na adolescência...quem já passou por essa fase sabe que não é fácil. Para a escola ele será um ex-aluno, para a sociedade será mais um caso somado a estatística...só que para os pais nunca será um ex-filho...a família terá que aprender a conviver com a dor. Então não podemos esperar o pior acontecer para buscar os culpados, não podemos deixar de cuidar do bem mais precioso que Deus nos concedeu...o Filho...Daniel pai que Deus conforte o seu coração e da sua esposa. Daniel filho que você encontre o caminho da luz.
CurtirResponder20 min     

Postar um comentário

4 Comentários

  1. Eu já sofri isso com minha filha em duas escolas. Mas sou professora e pude dar a ela o devido apoio, pois as escolas pelas quais ela passou não o fez. Hoje ela está bem em uma outra escola. Minha filha é negra do cabelo crespo e filha de professora que não ganha muito, ou seja, pobre, estudando em escola particular porque a mãe é funcionária da mesma. Isso é motivo?

    ResponderExcluir
  2. A responsabilidade é dos adultos, pais das criancas (familia) e também da escola e da comunidade. Precisamos enfrentar o problema atacando na raiz, com reunioes e debates na familia, na escola e na comunidade. Os pais dos jovens vìtimas de bullying devem entender que "nao é coisa de criança ou de adolescente". As escolas têm que parar de repetir o mantra "isso passa". Nao passa. Agrava. Mata. Se nao fisicamente, mata os sonhos, o desenvolvimento dos jovens. Entao, vamos CONVERSAR sobre o tema: na escola/ na familia/ na igreja. O bullying repete a violência da sociedade. É atitude COVARDE! Sao muitos contra um. E quem nao participa, se cala, com medo dos mais agressuvos. ATENÇAO DEFENSORIA PÙBLICA!!! O problema também é NOSSO. É DE TODA A SOCIEDADE !!!

    ResponderExcluir
  3. A responsabilidade é dos adultos, pais das criancas (familia) e também da escola e da comunidade. Precisamos enfrentar o problema atacando na raiz, com reunioes e debates na familia, na escola e na comunidade. Os pais dos jovens vìtimas de bullying devem entender que "nao é coisa de criança ou de adolescente". As escolas têm que parar de repetir o mantra "isso passa". Nao passa. Agrava. Mata. Se nao fisicamente, mata os sonhos, o desenvolvimento dos jovens. Entao, vamos CONVERSAR sobre o tema: na escola/ na familia/ na igreja. O bullying repete a violência da sociedade. É atitude COVARDE! Sao muitos contra um. E quem nao participa, se cala, com medo dos mais agressuvos. ATENÇAO DEFENSORIA PÙBLICA!!! O problema também é NOSSO. É DE TODA A SOCIEDADE !!!

    ResponderExcluir
  4. A sociedade está doente, as pessoas só se importam com aparência e dinheiro, existe inversão de valores, o inteligente é discriminado e o espertinho que gosta de enganar é valorizado. Precisamos refletir sobre o exemplo que damos e o que ensinamos aos nossos filhos. As escolas e professores também tem um papel importante nisso, pois é dentro delas que a perversidade começa.

    ResponderExcluir