Lei dos Judeus Sefarditas abre portas à cidadania portuguesa

 Segundo o site https://www.folhape.com.br/noticias: Empresa ajuda brasileiros a pedir cidadania portuguesa

A lei dos judeus sefarditas está em vigor desde 2015 e foi criada como reposição histórica de uma injustiça cometida há cerca de 500 anos, em Portugal. É através desta lei que um cidadão brasileiro pode pedir a cidadania portuguesa, caso ficar provado que descende de um judeu sefardita perseguido pela inquisição.                                                        Os judeus sefaditas habitaram a Península Ibérica durante séculos e, a partir do século XVI, foram perseguidos e julgados pela inquisição, motivo pelo qual, muitos deles, fugiram de Portugal para o Brasil, dando início à Diáspora e passando a ter a designação de cristãos-novos.
Para fazer uso desta lei e obter a cidadania portuguesa é preciso apresentar provas irrefutáveis à comunidade judaica portuguesa de que existe um vínculo direto entre quem requere a cidadania e o judeu serfardita.

Essa comprovação resulta de uma investigação genealógica minunciosa e profissional. O Grupo de Genalogia Judaica é uma start-up portuguesa que faz a pesquisa da ascendência sefardita e entrega o relatório genealógico num prazo máximo de 12 semanas. Conta com uma equipa de investigadores experientes e uma taxa de aprovação de 100% na Comunidade Israelita de Lisboa.                                                                    Já certificamos, pelo menos, 33 judeus, e em 2021 concedemos 349 certificados de cidadania por esta via.

Está à procura de melhores condições de vida ou novas oportunidades de negócio? Portugal é um dos país que mais atrai imigrantes brasileiros, tanto mais que em 2020 se registou o maior fluxo migratório desde 2008, de acordo com os dados disponibilizados pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF). 

Recorrer à lei dos judeus sefarditas para obter a cidadania portuguesa é uma forma de se regularizar no país e uma oportunidade de ficar a conhecer os seus antepassados.  


     

Postar um comentário

0 Comentários