Header Ads Widget

header ads

Brasil é o país mais atingido por raios no mundo, e frequência deve ser ainda maior

 Segundo o site https://www.folhape.com.br/noticias/brasil: O país contabiliza mais de 70 milhões de raios por ano

O Brasil é o lugar do mundo onde os raios sempre caem no mesmo lugar mais de uma vez. Com 70 milhões de raios por ano, é o país mais atingido da Terra. Um recém-lançado livro de cientistas do Grupo de Eletricidade Atmosférica do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Elat/Inpe), porém, alerta que, com as mudanças climáticas, esse número subirá para uma média de mais de 100 milhões de raios por ano até o fim do século.

O maior aumento, cerca de 50%, ocorrerá na Amazônia, com implicações para o equilíbrio da floresta, as telecomunicações e as redes de energia. A Amazônia já é o lugar com o maior número de descargas elétricas do país pela combinação de tamanho com tempestades frequentes. Lá não se passam três ou quatro dias sem descargas elétricas, afirma Osmar Pinto Jr., que divide com a cientista Iara Cardoso a autoria do livro “Brasil: campeão mundial de raios”.

Estão na Amazônia os municípios com maior frequência de raios, assim como a área do país mais castigada por eles. Pinto Jr. diz que análises de dados de satélites revelaram que é uma área de cerca de 25 Km2, a cerca de 100 quilômetros de distância de Manaus, às margens do Rio Negro. Tal pedaço de floresta é atingido por raios 250 dias por ano.

"Temos a combinação da grande umidade da mata com a proveniente dos rios. Uma imensa quantidade de vapor d’água é gerada, o que dá combustível para tempestades quase diárias", explica o cientista.

O livro reúne dados de mais de três décadas de pesquisa e estudos inéditos realizados por Pinto Jr. e Cardoso, fundadores do Elat.  Para as regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste eles projetam um aumento de 20% a 40%, variando dentro das regiões. O Nordeste, mais seco e com menos tempestades, deve ter o menor aumento, 10%. 

No Sul e no Sudeste ocorrem raios por cerca de cinco meses por ano. Menos do que na Amazônia, mesmo assim, muito para causar prejuízos, destaca o pesquisador.

A força dos raios no país está registrada nos recordes oficiais da Organização Meteorológica Mundial (OMM), que reconheceu como o raio mais longo do mundo o que cobriu uma distância horizontal de 709 quilômetros, no Rio Grande do Sul, em 31 de outubro de 2018.

Para fazer as projeções, os cientistas se basearam nas análises dos 12 principais modelos climáticos globais. O aumento no número de dias de tempestade por grau de aumento na temperatura no Hemisfério Sul é de 35%. A temperatura do planeta aumentou 1,18C desde o fim do século XIX, com a maior parte do aumento concentrada a partir de 1970, sendo os últimos sete anos os mais quentes já registrados. 

"Todos os modelos indicam a mesma tendência: mais calor e consequentemente mais tempestades e raios", afirma Osmar Pinto Jr., o mais conhecido especialista brasileiro em raios.

Segundo ele, aumentos maiores podem ocorrer em pequenas regiões localizadas ou em momentos de fenômenos climáticos, como El Niño e La Ninã. Uma amostra disso aconteceu no ano passado, quando a La Niña gerou mais tempestades. O resultado foi o registro de 110 milhões de raios.

"Raios causam um prejuízo muito grande. Interferem com as redes de telecomunicação e de energia", frisa Pinto Jr.

Os pesquisadores estimam que 70% dos desligamentos das linhas de transmissão e 40% dos de redes de distribuição de energia sejam causados por raios. E alertam que prejuízos aumentarão, caso medidas de prevenção de acidentes não sejam tomadas. O mesmo pode ocorrer com as mortes, atualmente em torno de 100 por ano.

Pinto Jr. chama a atenção para os impactos ambientais. A maior parte dos raios que atinge a superfície cai nas florestas tropicais. E os raios fazem parte da dinâmica das florestas, pois influenciam o volume de biomassa e a estrutura das matas. Um estudo de cientistas americanos publicado na revista Global Change Biology estimou em 832 milhões o número de árvores em florestas tropicais atingidas por raios a cada ano. Destas, aproximadamente 194 milhões morrem num período de até um ano em decorrência dos danos sofridos. 

"Um raio pode incinerar uma árvore, mas o fogo não se espalha porque a floresta é muito úmida. A árvores mortas abrem espaço para que outras se desenvolvam. Porém, se cair um número maior de raios do que a floresta pode suportar esse equilíbrio é rompido", observa Pinto Jr.

É o que já ocorre em áreas degradadas, onde o fogo consegue se espalhar e a mata não consegue se recuperar. Causado pelas mudanças climáticas associadas à ação humana, como o desmatamento da Amazônia, o aumento do número de raios pode intensificar as perdas da floresta num ciclo vicioso.

"Nenhum país do mundo deveria ter tanto interesse em se proteger dos raios quanto o Brasil", enfatiza Osmar Pinto Jr.

Postar um comentário

0 Comentários