Header Ads Widget

header ads

Estudantes da rede municipal de Olinda voltam ao ensino presencial

 Segundo o site https://www.folhape.com.br/noticias: Na Escola Integral Caic Profª Norma Coelho, que faz parte da rede municipal de Olinda, as crianças foram recebidas com frevo, uma apresentação animada e muito brilho nos olhos.

Depois de quase um ano e meio apenas no ensino a distância, a equipe docente pôde, finalmente, receber seus estudantes e recuperar gradativa e lentamente uma rotina que já era conhecida antes da pandemia.              Para isso, no entanto, foi necessário ressignificar o modelo de ensino e as dinâmicas aplicadas no ambiente de aprendizado. E a educação não para por aí: estudantes estão aprendendo, também, a se adaptarem às medidas de segurança contra a Covid-19 e a viverem com as mudanças; nesse processo de reeducação, a cultura do hábito de lavar regularmente as mãos, do uso correto da máscara e dos itens individuais de cada estudante são atos passados e reforçados às crianças. 

Todo o planejamento das aulas presenciais se direciona ao recebimento de turmas do segundo, quinto e nono anos. O escalonamento se dá de forma que as turmas são divididas em 50% e há um revezamento dos grupos, que se distribuem pelos turnos da manhã e tarde. No momento, o Caic Norma Coelho recebe quatro turmas do segundo ano e três turmas do quinto. 

Com a participação da Secretaria de Saúde de Olinda, do Conselho Municipal de Educação, do Sindicato dos Trabalhadores em Educação e da Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos, a Secretaria de educação organizou um protocolo pensando na melhor forma de trazer as crianças de volta às escolas, de forma que tanto as famílias quanto educadores se sintam seguros. 

Assim, todo o corpo docente e integrantes da equipe da Escola Integral Caic Norma Coelho participaram de uma formação para fazer dar certo o processo de socialização ressignificado para as crianças. Além disso, as crianças que apresentem sintomas gripais terão seus responsáveis instruídos a encaminhá-las aos postos de saúde para verificar sua saúde, para evitar que se tornem vetores de transmissão da Covid-19. 

“Agora, o nosso grande esforço será fazer com que as crianças retornem à escola, porque esse longo período de distanciamento social ocasiona uma infrequência e a gente precisa fazer essa chamada. A escola está segura e as crianças serão bem cuidadas”, enuncia Edilene Soares, secretária executiva de programas e políticas educacionais).

É importante relembrar que o sistema está híbrido, ou seja, os responsáveis que optarem por manter sua(s) criança(s) estudando a distância, pode fazê-lo livremente. Foi criado um aplicativo (o DTE Olinda), que serve para buscar e realizar atividades da escola; por ser patrocinado pela parceria com a Fundação Lema, os dados móveis e de internet não são gastos ao se utilizar a aplicação. 

Também há disponível o Programa Reconecta Olinda, que reconecta saberes para alunos do nono ano, com o intuito de diminuir o déficit de aprendizado entre estudantes.

Contudo, os pais e responsáveis das crianças, em geral, concordam que o ensino a distância é complicado, já que nem todos tem acesso à internet e/ou não são acostumados à tecnologia. “Vejo que estão satisfeitos com o retorno do presencial, porque as crianças podem vir até a escola e não o oposto, para realizar o processo de escolarização”, explica Edilene Soares.

A professora e pedagoga da Escola Caic Norma Coelho relata que, após quase 18 meses on-line, as crianças são mais participativas presencialmente. “O entusiasmo é notório com esse retorno”, revela a professora. Priscila Xavier, aluna de 13 anos, concorda. “A aula on-line não é a mesma coisa que a presencial [...] A tela do computador cansa a pessoa e não é bom”, explica a estudante. Priscila está feliz com o retorno, principalmente por poder matar a saudade dos amigos e professoras e que percebe sua rotina voltando lentamente.




 

Postar um comentário

0 Comentários