Header Ads Widget

header ads

Denúncias de maus-tratos contra crianças caem na pandemia

 Segundo o site https://www.sbtnews.com.br: Para especialistas, casos recentes são um reflexo de um problema recorrente no país

Corpo do menino Gael, de 3 anos, foi enterrado nesta 5ª feira (13.mai) | Elza Fiuza/Agência Brasil                                                                                                                                               Com a implantação das medidas de combate ao novo coronavírus, impostas pelas autoridades para reduzir a transmissão da covid-19 no país, creches e escolas precisaram suspender as atividades presenciais. A pandemia, que confinou inúmeras famílias em casa, fez com que as denúncias de maus-tratos contra crianças parassem de chegar às autoridades. 

Saiba mais

Menino é encontrado morto em bairro nobre de SP; Mãe é a principal suspeita

De acordo com a juíza Mônica Gonzaga Arnoni, da Corregedoria Geral da Justiça de São Paulo, houve uma redução no número de denúncias nos casos de violência infantil. "Se a gente fizer uma comparação com o início do ano passado, quando ainda não tinha pandemia, tivemos uma queda de quase 30% na distribuição das ações", explicou.

Para a juíza, é necessário denunciar casos de maus-tratos às autoridades. "A gente sempre escuta alguém falar que alguém estava por perto ou presenciou. Mas esse alguém poderia ter evitado e feito alguma coisa. Isso (não falar) é uma omissão." 

Casos recentes 

Em Belford Roxo, na Baixada Fluminense, uma mulher foi presa na 4ª feira (12.mai) após ser filmada agredindo os filhos com um cabo de vassoura. Nas imagens, é possível ouvir a mãe perguntando qual das crianças havia pegado um pacote de biscoitos sem autorização.

Caso Henry Borel: "Foi um ato de violência, ou seja homicídio", diz delegado 

De acordo a polícia, a mulher alegou que as agressões tinham o objetivo de ensinar aos filhos qual era a conduta adequada. No hospital, médicos constataram queimaduras nas mãos das crianças e um corte na testa do filho mais velho. 

No município de Anápolis, em Goiás, o corpo de um recém-nascido foi encontrado carbonizado em um terreno baldio. A mãe, responsável pelo crime, disse às autoridades que matou o filho porque escondeu a gravidez da família e do namorado.   

Gael é enterrado sob forte comoção

O corpo do menino Gael de Freitas Nunes, de 3 anos, foi velado e enterrado nesta 5ª feira (13.mai) na cidade de Prata, no interior da Paraíba, sob forte comoção. O garoto foi encontrado desacordado dentro do apartamento que vivia com a mãe, Andreia Fretas, com sinais de agressão e maus-tratos.

"Ela tratava ele bem, não sei o que aconteceu", diz pai de Gael ao SBT

O crime aconteceu na última 2ª feira (10.mai), na Bela Vista, região central de São Paulo. Na ocasião, a tia-avó do menino, Maria Nanete de Freitas, o encontrou na cozinha do apartamento da família. As investigações apontam que Gael foi espancado e morto por Andreia que, por sua vez, afirma não se recordar do ocorrido. 

O advogado da mãe de Gael, Fábio Costa, disse que Andreia sofreu um surto psicótico. "Ao falar do filho, ela só chora. Ela está literalmente em estado de choque. Existem documentos que comprovam várias internações. Não precisa ser advogado para saber que ela visivelmente tem problemas psiquiátricos", explicou em entrevista ao SBT.

Assista à reportagem completa do SBT Brasil:

Postar um comentário

0 Comentários