Header Ads Widget

header ads

Turquia condena 38 militares a prisão perpétua por tentativa de golpe em 2016

Segundo o site https://www.msn.com/pt-br/noticias/mundo: A Justiça da Turquia condenou, nessa 4ª feira (7.abr.2021), 38 militares a prisão perpétua pela tentativa de golpe de Estado em 2016. Outros 100 foram condenados a penas de prisão que variam de 6 a 16 anos.
Na noite de 15 de julho de 2016, uma mobilização de facções das Forças Armadas do país tentou derrubar o presidente Recep Tayyip Erdogan e o governo do primeiro-ministro Binali Yıldırım. Confrontos aconteceram na capital política, Ankara, e na capital econômica, Istambul.

Prédios do governo, como a Assembleia Nacional e o Complexo Presidencial, foram bombardeados e os militares conseguiram controlar locais estratégicos, mas o golpe falhou. Houve rejeição de cidadãos, que saíram para protestar nas grandes cidades, assim como de todos os partidos políticos e da comunidade internacional.

Ao menos 265 pessoas morreram em decorrência do episódio e 2.000 ficaram feridas.                                                                                                  O julgamento que terminou nessa 4ª feira (7.abr) ficou conhecido como o processo da Guarda Presidencial, já que a maioria dos 500 réus estava ligada ao corpo de segurança de elite do chefe de Estado.

Há pelo menos mais 299 processos envolvendo outros corpos das Forças Armadas que participaram da tentativa de golpe.

Plano de golpe

Em sua primeira década de governo,  Erdogan e seu partido, o AKP, formaram uma estreita aliança com os seguidores do líder islâmico Fethullah Golen.

Mas, a partir de 2013, esses antigos aliados se envolveram em uma luta pelo poder, o que culminou na declaração do grupo como uma organização terrorista e na subsequente tentativa de golpe.

A justiça e o governo turcos acusam a organização de Golen de ter elaborado o plano de 2016.

Erdogan decretou uma mudança em todo o aparato estatal e substituiu os chamados golenistas por partidários e militantes da formação MHP, de extrema-direita, com a qual o AKP formou uma nova aliança política.

O presidente turco também conta com militares expulsos pelas Forças Armadas.

No entanto, essa colaboração, de ideias nacionalistas e anti-ocidentais, também trouxe problemas a Erdogan.

No último fim de semana, 100 militares aposentados, alguns dos quais serviram como estrategistas para a nova política externa de Erdogan, assinaram um manifesto criticando projetos e debates do governo. Depois do episódio, 10 deles foram presos.

Erdogan aproveitou o incidente para acusar a oposição, especialmente o CHP, a 2ª maior formação de centro-esquerda no Parlamento, de “ficar do lado dos golpistas”.

O chefe de Estado turco disse, na 4ª feira (7.abr), que a oposição é um instrumento de “golpistas e terroristas”, e mostrou um vídeo de propaganda que foi transmitido pelos principais canais de televisão ligando o CHP a todos os golpes bem sucedidos na história recente da Turquia (1960, 1971, 1980 e 1997).

Mas cada um desses golpes foi realizado por diversas facções militares, e as vítimas políticas eram diferentes.

O último golpe, por exemplo, levou uma junta militar a manter o poder por 3 anos e beneficiou o movimento islâmico de onde Erdogan veio.    

Postar um comentário

0 Comentários