Header Ads Widget

header ads

Com saúde em colapso, Amazonas tem custo de R$ 1 milhão por mês em estádio sem uso

 Segundo o site https://www.noticiasaominuto.com.br: O principal estádio manauara luta contra a fama de "elefante branco"

MANAUS, AM (FOLHAPRESS) - Em contraste com o cenário caótico que Manaus enfrenta desde o mês passado por causa da escalada de casos de Covid-19, a Arena da Amazônia se destaca na paisagem como uma estrutura ociosa a poucos metros de duas unidades hospitalares da capital.                                                                                                O estádio foi construído para a Copa do Mundo de 2014, da qual Manaus foi uma das sedes, com investimentos de R$ 669 milhões, pagos pelo governo do Amazonas e com financiamento do BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social).

Os custos milionários das obras para o Mundial levaram a protestos em todo o país em 2013 e 2014. Na época, Ronaldo, ex-atacante da seleção brasileira, defendeu os gastos e disse que "não se faz Copa com hospitais".                                                                                            Hoje, a Arena da Amazônia está fechada e os jogos foram transferidos para outros estados em virtude das restrições de circulação no estado e da falta de leitos para atender atletas. Um decreto estadual em vigor desde 4 de janeiro suspende a realização de eventos no Amazonas.

Segundo a Fundação Amazonas de Alto Rendimento, órgão estadual que administra os espaços esportivos do estado, os gastos com a manutenção do estádio são de cerca de R$ 1 milhão por mês.

O principal estádio manauara luta contra a fama de "elefante branco". Antes do fechamento, recebia jogos do campeonato amazonense, de competições nacionais e de um campeonato local de futebol amador, além de partidas de outros esportes como rúgbi e futebol americano.

O uso mais frequente da Arena, no entanto, está no seu espaço multifuncional, que recebe eventos como feiras, exposições, bazares, festas, shows e até mesmo blocos de Carnaval.

Com área de 84 mil metros quadrados e capacidade para 44,8 mil pessoas, a Arena teve seu recorde de público em agosto de 2019, quando o Manaus FC enfrentou o Brusque na final da série D do Campeonato Brasileiro e levou 44.896 pagantes ao estádio.

Procurada, a Fundação Amazonas de Alto Rendimento não deu detalhes sobre o faturamento da Arena da Amazônia.
No início da pandemia, o deputado federal José Ricardo (PT-AM) defendeu a instalação de um hospital de campanha na Arena da Amazônia. No fim de dezembro, com o recrudescimento da pandemia, voltou a pedir a implantação da estrutura médica, o que ele classificou como uma medida urgente.

Ele avalia que a implantação do hospital no espaço iria desafogar o sistema de saúde e destacou a localização central do estádio, em uma das principais avenidas de Manaus, o que, segundo ele, facilitaria o acesso.

"Tem muito espaço nas áreas laterais, espaços que são utilizados para eventos, num local amplo e adequado para a implantação de um hospital de campanha", destacou o deputado.

A medida foi adotada em outras capitais, onde estádios foram adaptados para atender a demanda pela ampliação de leitos durante a pandemia. Em São Paulo, o estádio do Pacaembu foi um dos primeiros a receber estrutura hospitalar para acolher pacientes com Covid-19.

O mesmo aconteceu em estádios como a Arena Fonte Nova, em Salvador, o Presidente Vargas, em Fortaleza, o Mané Garrincha, em Brasília, e o Canarinho, em Boa Vista.

Em dezembro do ano passado, o governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), anunciou a reativação do hospital de campanha estadual, erguido em um hospital universitário desativado. Na ocasião, ele disse que estava fazendo "a maior ampliação da capacidade da saúde pública na história do estado".

O esforço, no entanto, não foi suficiente para evitar o colapso no sistema de saúde. Com a alta nas internações por Covid-19, no dia 14 de janeiro a capital entrou em crise com a falta de leitos e de oxigênio na rede pública e privada.

A taxa de ocupação dos leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) é de 94,3% e médicos relataram à reportagem que precisam escolher quais pacientes receberão atendimento.

Em nota, o governo afirmou que o plano estadual de contingência da Covid-19 já prevê a implantação de estruturas de retaguarda no sistema de saúde e que a unidade está sendo montada, sem detalhar como e quando o hospital começará a receber pacientes.

A gestão estadual também não falou sobre as possibilidades de uso para a Arena da Amazônia, que, sem jogos e sem hospital de campanha, segue fechada.    

Postar um comentário

0 Comentários