segunda-feira, 7 de setembro de 2020

Com desfile cancelado, 7 de Setembro terá discurso de Bolsonaro na tevê

 Segundo o site https://www.correiobraziliense.com.br: Para evitar aglomeração, programação de evento prevê discurso de Bolsonaro na tevê e tímida exibição da Esquadrilha da Fumaça. Para especialistas, governo quer fazer da data um marco da gestão em meio à pandemia (foto: Ana Rayssa/CB/D.A Press)Para não    deixar a comemoração dos 198 anos da independência do Brasil passar em branco, devido ao cancelamento do tradicional desfile na Esplanada dos Ministérios, o presidente Jair Bolsonaro deve reunir, hoje, um grupo seleto de ministros, parlamentares e militares no Palácio da Alvorada para celebrar o feriado. Será a primeira vez desde a ditadura militar que o evento terá comemoração de maneira comedida na capital do país, sem grandes apresentações ou presença do público.


Na programação estão previstos discursos de Bolsonaro e do ministro da             Defesa, Fernando Azevedo. O evento ocorrerá ao ar livre. Deve haver,                     ainda, uma exibição da Esquadrilha da Fumaça no perímetro aéreo da                  residência oficial. Também há a possibilidade de um pronunciamento do             presidente para as cadeias de rádio e televisão do país sobre o Dia da Pátria.

Por mais que a pandemia da covid-19 tenha forçado o Ministério da Defesa a suspender a organização das festividades ao público — com direito, inclusive, à publicação de portaria no Diário Oficial da União, em agosto, do chefe da pasta, Fernando Azevedo, orientando que as Forças Armadas não participem de          “quaisquer eventos comemorativos” —, o governo quer fazer da data um               marco da gestão Bolsonaro.

A ordem no Palácio do Planalto é amplificar o discurso ufanista do presidente,           que está difundindo a ideia de que ninguém enfrentou melhor a crise sanitária          do novo coronavírus do que ele — apesar de o Brasil contar, atualmente,                     com mais de 4,1 milhões de infectados e mais de 126 mil mortos pela                pandemia.                                      

Exemplo

No fim de agosto, por exemplo, Bolsonaro chegou a organizar um evento                   na sede do Executivo com o nome “Brasil vencendo a covid-19”. A solenidade contou com os discursos do presidente e de uma série de médicos, que deixaram         de lado as vidas perdidas pelo novo coronavírus para defender a utilização da hidroxicloroquina no tratamento contra a doença. Não há comprovação                científica da eficácia do medicamento.

“Desde o começo (da pandemia) assumi posição ímpar, não só dentro do             Brasil, mas como chefe de Estado no mundo todo. Não vi um chefe de                  Estado tomar uma decisão como a minha”, comentou, na última quinta-feira,                 ao participar da cerimônia de apresentação dos projetos de pontes nos              municípios paulistas de Pariquera-Açú e Eldorado.

O presidente também aposta que, graças às ações adotadas pelo Executivo, a economia nacional voltará ao normal rapidamente. Esse sentimento acabou influenciando a campanha publicitária da “Semana Brasil 2020”, iniciativa             criada para estimular as vendas no período em que se comemora o Dia da Independência. Na linha daquilo que Bolsonaro tem pregado, o lema escolhido              para a iniciativa deste ano foi “Vamos em frente, com cuidado e confiança”.

Elogio

No ano passado, o presidente Bolsonaro optou por um discurso patriótico,               regado por alfinetadas a mandatários anteriores e, também, ao presidente                     da França, Emmanuel Macron, que à época foi criticado pelo brasileiro                      por ter supostamente atentado contra a soberania do Brasil ao sugerir a internacionalização da Amazônia.

Como em outras oportunidades, quando criticou as gestões petistas,                    Bolsonaro defendeu a liberdade e acusou de que ela foi “por tantas e tantas                 vezes ameaçada por brasileiros que não tem outro propósito a não ser o                poder pelo poder.”

Para o advogado e cientista político da Universidade de Brasília (UnB) Nauê Bernardo, neste ano, o chefe do Executivo voltará a investir na defesa do               patriotismo, mas, desta vez, deve, também, elogiar os feitos do governo.                   “A impressão é de que ele vai fazer as duas coisas. O presidente deve falar               do envio da reforma administrativa, além de relatar que exerce um governo              sem corrupção”, destaca.

“Bolsonaro vai pesar a mão nisso. Evocar essas características da Presidência,             dizer que o governo tem feito avanços. Poderá usar elementos ufanistas e                   patrióticos para reforçar o elo com eleitores. Não espero que o presidente                  tenha um discurso de construção de consenso”, acrescenta o analista político               Creomar de Souza, da consultoria Dharma. (AF e IS) Manifestações

Nenhum comentário:

Postar um comentário