quinta-feira, 20 de fevereiro de 2020

Previdência paulista: Em sessão tumultuada, governo Doria transfere votação para após o Carnaval

Segundo o site https://www.viomundo.com.brO plano do governo João Doria (PSDB) era que a Assembleia Legislativa (Alesp) votasse nessa quarta-feira (19/02),  o segundo turno da reforma da previdência paulista.Previdência paulista: Em sessão tumultuada, governo Doria transfere votação para após o CarnavalPorém, depois de quase cinco horas de sessão tumultuada por ataques e provocações por parte de parlamentares da base governista, a discussão foi transferida para o próximo dia 3 de março.
Um dos momentos mais agressivos foi o gesto do deputado bolsonarista Frederico D’Avila (PSL).
Ele foi para a frente da galeria onde estavam os servidores estaduais e, com as duas mãos, simulou fuzilá-los.
Frederico D’Avila é o mesmo que, no final do ano passado, tentou homenagear o ditador chileno Augusto Pinochet na Assembleia Legislativa.
Da tribuna da Casa, o líder do PT, Teonílio Barba, antecipou que o partido irá ao Conselho de Ética contra ele.
“É herdeiro da chibata, do processo escravocrata. Por isso, ameaçou atirar em vocês [servidores públicos]. Vamos fazer uma representação contra ele [na Comissão de Ética]”, enfatizou Barba.
Já o deputado Arthur  Mamãe Falei (Patriota) foi um dos que mais criaram confusão.
Entrou em atrito até com deputados conservadores, como o veterano Campos Machado (PTB), que rebateu os ataques acusando-o de ser cabeça de vento.
As agressões do bolsonarista Douglas Garcia (PSL)  foram abafadas pelas vaias dos servidores públicos nas galerias.
Parasita, picareta e vendido foram os adjetivos mais utilizados contra Garcia, que há dois anos tentou organizar um desfile carnavalesco homenageando o coronel torturador Carlos Alberto Brilhante Ustra.
A colega de partido, Janaina Paschoal (PSL),também foi vaiada aos gritos de golpista. Ela reagiu, mas sua fala não foi escutada nas galerias, que continuou o coro.
Outro que tumultuou a sessão por diversas vezes foi o presidente da Casa,  Cauê Macris (PSDB).
Chamou a galeria de estádio de futebol. Mandou expulsar manifestante da área.
Suas atitudes irritaram os servidores públicos, que fizeram ecoar gritos de “ditador, ditador, ditador”.
Deputadas do PT, PSOL e PCdoB acusaram-no de machista.
Ironicamente, a defesa do tucano partiu de outra mulher, a líder do PSDB, Carla Morando, esposa do prefeito de São Bernardo do Campo acusado de envolvimento em corrupção.
Morando atacou as colegas para defender  Cauê.
A presidente da Comissão de Direitos Humanos, deputada Beth Sahão (PT), antecipou da tribuna que pretende entrar na justiça contra a tucana.
“Eu não aceito as palavras que foram proferidas pela líder do PSDB. Nós vamos representar na justiça e a senhora [Carla] vai ter de provar que as deputadas Bebel, Márcia Lia, Leci (Brandão), Mônica (Seixas), Isa (Penna) e esta deputada, que vos fala, não prestam”, reagiu ao microfone, arrancando aplausos da galeria.
“Cauê Macris é um presidente autoritário, a serviço do governo Doria, só está aqui porque o pai [Vanderlei Macris, ex-presidente da Alesp], articulou para ele. O que ocorreu aqui é um verdadeiro show de horrores. O rebaixamento [do debate] é promovido pelo presidente da Assembleia”, criticou o deputado Carlos Giannazi (PSOL).
“Uma matéria como esta [da reforma da previdência] não pode ser discutida a toque de caixa”, ressaltou a professora Bebel.
O petista Paulo Fiorilo também criticou a pressão exercida pelo governo sobre os deputados, para conseguir aprovar o texto da reforma em primeira votação.
“É o Partido das Emendas”, frisou o deputado Campos Machado, dando a entender que os parlamentares que votaram contra a aposentadoria dos servidores receberam recursos do governo Doria para emendas.
Ele afirmou ainda que todos os prefeitos que não são da oposição foram assediados para pressionar os deputados a votarem contra o funcionalismo público.
Edna Macedo (Republicanos) foi uma das poucas parlamentares da base governista a contrariar as orientações do Palácio dos Bandeirantes.
“Não sou conivente com esse pacote de maldades que o governo quer fazer. Empresas devem milhões e milhões. É justo os servidores pagarem o pato? Negativo. Eu voto e votarei contra.”
“Parece que ele [Doria] quer ser presidente [da República], mas não vai ser presidente nem do quarteirão onde mora”, alfinetou Edna, arrancando aplausos dos presentes,que puxaram o grito de fora Doria nas galerias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário