sexta-feira, 1 de novembro de 2019

Óleo encontrado nas praias do Nordeste vem de 3 campos da Venezuela, diz Petrobras

Segundo o site https://g1.globo.com/Companhia afirma não ter mecanismos para deter as manchas do produto antes que elas cheguem à costa. Mais de 340 toneladas já foram recolhidas do litoral pela empresaResultado de imagem para foto manchas de óleo percorrem pela costa brasileiraO óleo que tem sido encontrado em praias do Nordeste brasileiro desde o final de agosto é proveniente de três campos da Venezuela, informou a Petrobras nesta sexta-feira (25).
"Quando a gente fez a análise em mais de 30 amostras, a gente concluiu que era de três campos venezuelanos, era um brent [petróleo cru]. A origem do petróleo é lá", disse o diretor de Assuntos Corporativos da Petrobras, Eberaldo Neto.
"A origem do vazamento é outra coisa. A origem do vazamento a gente entende que é da costa brasileira", completou. A afirmação foi feita durante entrevista coletiva para comentar os resultados da empresa no terceiro trimestreResultado de imagem para foto manchas de óleo percorrem pela costa brasileiraMais de 230 lugares já foram atingidos pelo óleo; veja lista completaMancha de óleo é encontrada em Suape, no Cabo de Santo Agostinho — Foto: Salve Maracaípe/Reprodução/WhatsAppMancha de óleo é encontrada em Suape, no Cabo de Santo Agostinho — Foto: Salve Maracaípe/Reprodução/WhatsApp  

'Agulha no palheiro'

A petroleira disse ainda não ter mecanismos técnicos para impedir a chegada do óleo vazado no mar às praias. Mais de 340 toneladas do material já foram recolhidas da costa brasileira pela empresa desde setembro, quando foram identificadas as primeiras manchas no litoral nordestino.
A estatal não teria responsabilidade pelo vazamento, mas faz mobilização para a limpeza das praias por um acordo com o governo.
"Fica praticamente impossível você pegar esse óleo e segurar com barreiras e outros instrumentos que a gente tem. Então, o mecanismo de captura tem sido quando a maré e a corrente jogam para a praia. Infelizmente tem sido desse jeito porque os mecanismos que a gente detém são agulha no palheiro para pegar, por conta da característica do óleo", disse o diretor.
Segundo Neto, tão logo foi acionada pelo Ibama em razão do surgimento do óleo nas praias, a Petrobras se mobilizou para identificar o vazamento e recolher o material que chega à costa.
"Pela característica do óleo, [que é] diferente dos óleos que a gente produz aqui, que sobrenadariam por ter uma densidade menor que a da água do mar. [Nesse caso] a gente pegaria por imagens de satélite e poderia fazer um combate antes que chegasse na praia", reforçou o diretor.                          Resultado de imagem para foto manchas de óleo percorrem pela costa brasileiraConsiderando as características do óleo encontrado, a Petrobras aponta a Venezuela como origem do produto. Já sobre as direções que as manchas de óleo percorrem pela costa brasileira, a companhia presume que ele vazou de um ponto distante do continente, onde há uma bifurcação de correntes marítimas.Resultado de imagem para foto urcação de correntes marítimas
"Esse caso, ao que tudo parece, é um navio que passou por aqui, ou que afundou, a gente não sabe. A Marinha está investigando, isso não cabe à gente investigar", destacou Neto.
A empresa enfatizou que mantém sua mobilização para limpeza das praias.Resultado de imagem para foto manchas de óleo percorrem pela costa brasileira
Questionada sobre as ações voluntárias de limpeza, que tem colocado pessoas em risco, devido à toxicidade do óleo, a Petrobras disse que está enviando Equipamentos de Proteção Individual (EPI) para as comunidades litorâneas a fim de evitar que os voluntários tenham contato direto com o óleo. O EPI inclui luvas, macacão e botas.
Perguntado também sobre os custos desta ação, já que a Petrobras não seria a responsável pelo vazamento, o diretor Eberaldo Neto adiantou que foi feito um acordo com o governo.
"Se a gente tem algum dispêndio, a gente tem que ser ressarcido. Sobre quanto vai custar, isso já foi discutido e está sendo contabilizado em paralelo. O nosso foco principal tem sido a limpeza das praias e continuaremos mobilizados até que cesse o aparecimento desse óleo", afirmou Neto.  
    

PF diz que navio grego é suspeito de derramamento de óleo no Nordeste                  Segundo o site https://oglobo.globo.comÓleo chega à praia dos Carneiros, Pernambuco Foto: Clemente Coelho Júnior / Instituto Bioma BrasilOperação foi deflagrada nesta sexta em parceria com a Interpol                                BRASÍLIA — A Polícia Federal (PF) afirmou nesta sexta-feira que um navio grego é o principal suspeito pelo derramamento de óleo no mar que provocou a contaminação de mais de 250 praias no Nordeste.

Segundo a investigação, a embarcação atracou na Venezuela em 15 de julho e o derramamento teria ocorrido a 700 quilômetros da costa brasileira entre os dias 28 e 29 de julho. Uma operação foi deflagrada nesta sexta-feira pela PF em conjunto com a Interpol.
Segundo a PF, estão sendo cumpridos dois mandados de busca nesta sexta-feira no Rio em sedes de representantes e contatos da empresa grega responsável pelo navio. Os mandados foram expedidos pela 14ª Vara Federal Criminal de Natal/RN, em sedes de representantes e contatos da empresa grega no Brasil.
As investigações foram realizadas de forma integrada com Marinha, Ministério Público Federal, Ibama e as universidades Federal da Bahia (UFBA), de Brasília (UnB) e Universidade Estadual do Ceará (UEC). Também houve apoio de uma empresa privada do ramo de geointeligência.
De acordo com as investigações, após atracar na Venezuela, onde ficou por três dias, o navio seguiu para Singapura, tendo aportado apenas na África do Sul. O derramamento teria acontecido durante esse translado.
Não há ainda informações sobre quem seria o responsável pelo petróleo abastecido na Venezuela. Foram solicitadas diligências adicionais à Interpol para buscar dados adicionais sobre a embarcação, tripulação e empresa responsável.
A investigação é pelo crime de poluição e por um artigo da legislação brasileira que pune o fato de não ter havido comunicações às autoridades sobre o incidente ocorrido em alto mar. O óleo que contamina as praias nordestinas desde 30 de outubro deste ano já atingiu 286 localidades em 98 municípios nos nove estados do Nordeste                                                                  

Relembre

Na última quarta-feira, o comandante da Marinha, almirante de esquadra Ilques Barbosa , havia reiterado que a investigação sobre o derramamento de óleo que atingiu o Nordeste estava concentrada em 10 navios de 11 bandeiras diferentes, uma vez que um deles podia ter duas bandeiras. No mesmo dia, o vice-presidente Hamilton Mourão já havia alertado que o governo federal poderia anunciar o navio responsável nesta semana, mas foi desautorizado pelo presidente Jair Bolsonaro.
Na semana passada, Barbosa havia dito que as principais suspeitas recaíam sobre 30 navios. O comandante ressaltou, no entanto, que nenhuma hipótese está descartada.    

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Recife tem pior taxa de desemprego entre as capitais brasileiras, diz IBGE

Segundo o site  https://g1.globo.com/pe/pernambuco :  Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) trimestral foi divulgada nesta terç...