Mulheres enfrentam dificuldade para ter filho na cidade em que moram no Grande Recife

Segundo o site https://g1.globo.com/pe/pernambuco: Com obras paradas, maternidades sofrem com a ação do tempo em Olinda e Jaboatão dos Guararapes. Nos locais, há lixo e focos de Aedes aegypti também.Água acumulada, falta de acabamento, materiais e equipamentos jogados na obra da Maternidade Brites de Albuquerque, em Olinda (Foto: Reprodução/TV Globo)Com maternidades fechadas ou com obras abandonadas, grávidas estão tendo dificuldade de ter seus filhos perto de casa em Olinda e em Jaboatão dos Guararapes. Em alguns casos, elas precisam se deslocar para outra cidade da Região Metropolitana do Recife para que o parto seja feito. (Veja vídeo acima)
Há cinco anos, a Maternidade Brites de Albuquerque, em Olinda, fechou as portas para uma reforma e ampliação. Desde então, não reabriu. As paredes estão pintadas, mas a vegetação que cresce no local revela o abandono. O tapume que cercava a obra caiu e a placa, com datas e valores do projeto, está apagada depois de tanto tempo.
O novo prédio, que faz parte da ampliação da maternidade, está inacabado. No local, há ainda água acumulada, falta de acabamento, materiais e equipamentos jogados. No terreno, muito entulho. Nenhum trabalhador foi visto na obra em quatro horas que a reportagem esteve no lugar. O projeto teve o investimento de R$ 9 milhões. Grávidas estão percorrendo mais de cinco quilômetros de distância para dar à luz no Hospital Tricentenário, em Olinda. “Precisamos da maternidade e, para quem mora perto dela, não tem. Minha menina podia ter nascido nela [Brites de Albuquerque], mas estava fechada”, contou a dona de casa Elizângela Oliveira. Em Jaboatão dos Guararapes, cidade com cerca de 700 mil habitantes, outra obra parada. O edital da obra da Maternidade Maria Rita Barradas, localizada no bairro de Sucupira, foi lançado em 2010. Um investimento de quase R$ 23 milhões.
Atualmente, o custo da construção saltou para R$ 38 milhões e a obra parou. O prédio chegou a ser levantado, mas a construção estancou. Não há acabamento e a parte elétrica também não foi feita. Em meio à escuridão, a maternidade está repleta de morcegos. Em parte da unidade, o teto não foi construído.Abandonada, parte da construção da Maternidade Maria Rita Barradas não tem nem teto (Foto: Reprodução/TV Globo)Abandonada, parte da construção da Maternidade Maria Rita Barradas não tem nem teto (Foto: Reprodução/TV Globo)
Abandonada, a obra virou foco de reprodução do Aedes aegypti. É possível ver larvas do mosquito se mexendo na água parada. Há, ainda, material de construção e entulhos largados no local. “Não tem vigilante, não tem nada. Está abandonada”, lamentou o serralheiro Vicente Leonardo.
Sem ter onde realizar o parto, as grávidas que moram em Jaboatão dos Guararapes têm que recorrer às unidades localizadas no Recife. “Eu moro em Dois Carneiros, mas meu filho vai nascer na Policlínica do Ibura [Zona Sul do Recife] porque a maternidade daqui não está funcionando. Isso é um descaso”, reclamou Tatiana Dias, grávida de oito meses.
A equipe de reportagem retornou à maternidade Maria Rita Barradas um dia depois. A chuva expôs infiltrações no teto da unidade. “Minha filha tem nove meses. Nós moramos na Vila Dois Carneiros, mas eu fiz o pré-natal no Bandeira Filho porque quem faz isso lá tem o encaminhamento para a maternidade. Aqui, o posto não encaminha para maternidade porque não tem unidade no município”, explicou a professora Geisiane Maria. 

Respostas

Em nota, a Prefeitura de Olinda afirmou que um dos um dos compromissos assumidos na nova gestão é retomar as obras nas unidades de saúde como a Maternidade Brites de Albuquerque. O governo ainda disse que o serviço de requalificação foi retomado em abril de 2017.
“A Prefeitura de Olinda esclarece ainda que das três etapas da reforma, uma já está concluída, a qual se refere à área de recepção, emergência, atendimento pré-parto e triagem. A etapa de alojamento conjunto está em andamento. A próxima etapa da reforma será o setor de bloco cirúrgico. A Prefeitura de Olinda informa também que a secretaria de saúde do município já entrou em negociação com o Governo do Estado para conseguir parceria a fim de concluir a reforma da Maternidade. A expectativa é que até o início de 2019 a obra esteja finalizada”, falou em nota.
O secretário de Saúde de Jaboatão dos Guararapes, Alberto Lima, garantiu que há crianças nascendo no município. De acordo com ele, a cidade conta com duas maternidades, que realizam 391 partos por mês. Quanto a obra da Maria Rita Barradas, ele alegou falta de recursos como um dos responsáveis pela paralização da unidade.
“Não havia recurso suficiente para terminar. Também encontramos, quando assumimos a gestão, um parecer do Ministério da Saúde que mostrava que o projeto não estava adequado para atender à necessidade. Então, a gente teve que reavaliar o projeto como um todo”, afirmou.
Ainda segundo ele, o município vai gastar cerca de R$ 1,6 milhão para fazer o centro de parto normal. “Estamos viabilizando recursos para essa construção. Então, estamos atrás de emendas parlamentares, trabalhar para garantir recursos próprios do município. Vamos fazer todo esforço para ter uma boa notícia até o fim do ano”, concluiu.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

General Heleno: “Vamos fechar o Congresso Nacional. Não existe nenhuma Democracia em nosso País mais.”

Noticia Urgente: Cantor Murilo Manoel de Moura sofre acidente de Moto e chega a óbito

Jovem morre em acidente de transito na PE 90 na cidade de Surubim