Governo investe menos em saúde e educação para pagar servidor e Previdência

Segundo o site http://www.gazetadopovo.com.br: Gasto da União com salários e aposentadorias continua subindo acima da inflação.Enquanto isso, o Ministério da Saúde investiu 42% menos. Na Educação, desembolso caiu pela metadeO Ministério da Educação investiu pouco mais de R$ 1 bilhão no primeiro quadrimestre, metade do valor desembolsado um ano antes. | Antônio More/Arquivo/Gazeta do PovoPressionado pela contínua queda das receitas e pela regra que impõe um teto para as despesas públicas, o governo federal está conseguindo reduzir seus gastos. Nos quatro primeiros meses deste ano, o desembolso caiu 4,3% em termos reais – já descontada a inflação – em relação ao mesmo período de 2016. Em valores absolutos, o corte foi de R$ 17,4 bilhões.
O problema está na qualidade desse processo. Para manter o pagamento de salários e aposentadorias, que estão consumindo mais recursos, a União está tirando dinheiro de áreas como educação, saúde, saneamento e infraestrutura.
Dados do Tesouro Nacional revelam que o maior corte está sendo feito nas despesas discricionárias, ou não obrigatórias – aquelas que, segundo o glossário do Orçamento, “efetivamente concorrem para a produção de bens e serviços públicos”. Coisas que vão da manutenção dos equipamentos de um posto de saúde a obras de saneamento, do material escolar ao recapeamento de rodovias. Esse tipo de gasto somou R$ 69,1 bilhões de janeiro a abril – R$ 21,4 bilhões a menos que em igual período do ano passado. Em termos relativos, a tesourada foi de 23,6%
Dentro do grupo das despesas discricionárias, chama atenção a redução violenta nos investimentos públicos. Eles vinham encolhendo desde 2015, mas desta vez o tombo foi mais forte. Na comparação entre os primeiros quadrimestres de 2016 e 2017, o desembolso baixou 60,3%, para R$ 8,2 bilhões, o equivalente a um quarto do valor investido nos quatro primeiros meses de 2014.

Torneira fechada

O Ministério dos Transportes – que cuida, por exemplo, das estradas – investiu 40% menos. O da Saúde, 42%. No Ministério da Educação, o investimento caiu pela metade. Na pasta das Cidades, responsável por obras de infraestrutura urbana, o corte chegou a 63%.
Também houve quedas consideráveis nos ministérios da Integração Nacional (-44%), que toca programas de desenvolvimento regional, e da Defesa (-76%). No Ministério de Minas e Energia, a torneira secou: a pasta, que investiu cerca de R$ 1 bilhão entre janeiro e abril de 2016, desembolsou menos de R$ 6 milhões neste ano.

Torneira aberta

Grande parte do dinheiro poupado nessas áreas tem sido usada para cobrir o forte crescimento das principais despesas obrigatórias – os salários do funcionalismo, as aposentadorias e as pensões.
Inflado pelos reajustes concedidos pelo presidente Michel Temer, o gasto com pessoal e encargos sociais consumiu R$ 6,1 bilhões a mais no primeiro quadrimestre deste ano, com aumento de 7,3% acima da inflação. Na Previdência, o aumento foi de 5,5%, ou R$ 8,8 bilhões, num reflexo do rápido crescimento do número de beneficiários de aposentadorias e pensões.
                      

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

General Heleno: “Vamos fechar o Congresso Nacional. Não existe nenhuma Democracia em nosso País mais.”

Noticia Urgente: Cantor Murilo Manoel de Moura sofre acidente de Moto e chega a óbito

Jovem morre em acidente de transito na PE 90 na cidade de Surubim