sábado, 8 de agosto de 2020

Casal é preso em Jaboatão após denúncia de estupro de filhos, netos e sobrinhos há pelo menos dez anos, diz polícia

 Segundo o site https://g1.globo.com/pe/pernambucoHomem de 45 anos e mulher de 44 anos foram detidos em cumprimento a mandados de prisão temporária. Número de vítimas pode chegar a 11, segundo as investigações.Delegada Vilaneida Aguiar apresentou detalhes do caso nesta sexta-feira (7) — Foto: Marina Meireles/G1Um homem de 45 anos e uma mulher de 44 anos foram presos em Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife, em cumprimento a mandados de prisão temporária por estupro de vulnerável. Segundo a Polícia Civil, há até 11 pessoas que podem ser vítimas do casal, entre filhos, netos e sobrinhos. Os crimes acontecem há, no mínimo, dez anos. Os detalhes do caso foram divulgados nesta sexta (7).

As investigações começaram depois que quatro filhas do casal foram a              uma delegacia em Jaboatão no dia 21 de julho. “Três delas são maiores              de idade, sendo a mais velha com 24, e outra é uma adolescente                         de 17 anos. Elas conversaram entre si e chegaram à conclusão de                    que aquilo não poderia mais acontecer”, disse a delegada Vilaneida                    Aguiar, responsável pelas investigações.

De acordo com a polícia, as vítimas relataram que os abusos                        aconteciam desde a infância. “Elas eram abusadas e dopadas desde                os 5, 6 anos, e impedidas de ir à escola quando os abusos aconteciam                 porque os pais não queriam que elas dissessem o que acontecia. Eles                 também restringiam acesso à televisão e contato com amizades,                  dizendo que aquilo era carinho”, afirmou.

Ainda de acordo com a delegada, a mãe das vítimas acobertava os                       abusos cometidos pelo pai. “Elas disseram que, quando sentiam dor ou ardência nos órgãos sexuais, a mãe falava que era por causa do sabão           utilizado na hora do banho”, contou Vilaneida. As vítimas também eram ameaçadas com faca e agressões corporais, segundo a Polícia, para                       que não denunciassem os crimes.  Entre as vítimas do casal, está                         um jovem de 19 anos que teve paralisia cerebral e se locomove                   com auxílio de uma cadeira de rodas. Crianças de 2 e 3 anos, netos                 do casal, também sofreram abusos. “Estamos aguardando o resultado                 de exames que podem apontar  que outros dois filhos deles,                             de 9 e 11 anos, também foram abusados” explicou a delegada.

Outros familiares das vítimas não tomaram conhecimento da situação,                     de acordo com a polícia. “Há cerca de sete anos, uma tia das crianças             chegou a confrontar o casal, mas eles fizeram com que os filhos                         afirmassem que nada disso acontecia”, declarou.

Durante as investigações, o homem, que não tem antecedentes criminais,              fugiu depois da denúncia, mas a prisão do casal ocorreu na segunda (3).                 Ao serem detidos, eles não confessaram os crimes.

O pedreiro foi levado ao Centro de Observação e Triagem Professor                       Everardo Luna (Cotel), em Abreu e Lima, no Grande Recife, e a mulher                 foi encaminhada à Colônia Penal Feminina, na Zona Oeste da capital pernambucana. As vítimas devem receber encaminhamentos para serem acompanhadas psicologicamente, segundo a Polícia Civil.

Como denunciar

Segundo a Polícia Civil, é importante perceber mudanças no                          comportamento de crianças para identificar situações semelhantes.

“Nós fazemos um alerta a pais, responsáveis e parentes próximos.                       A criança normalmente apresenta mudanças, como agressividade,                     retração, e é importante estar atento a esses sinais”, disse o gestor                    do Departamento de Polícia da Criança e do Adolescente, Darlson            Macedo.

A população pode denunciar crimes contra crianças e adolescentes por                      meio do telefone (81) 3184-3576, do DPCA, ou através do                                                  Disque 100.

Nenhum comentário:

Postar um comentário