segunda-feira, 19 de agosto de 2019

Equipes de Pernambuco ganham 15 medalhas na Olimpíada Nacional em História do Brasil

Segundo o site https://g1.globo.com/pe/pernambucoEstado levou 20% do total de medalhas, ficando atrás apenas do Rio Grande do Norte, que obteve 20. Ao todo, 314 equipes foram convocadas para a final.
Pernambuco levou 15 medalhas na Olimpíada Nacional em História do Brasil. A premiação aconteceu neste domingo (18), na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), no interior de São Paulo. Foram três medalhas de ouro, sete de prata e cinco de bronze, o que representa 20% do das 75 distribuídas nas três premiações.

Foram convocadas 314 equipes de todo o país para a fase final da competição. Ao todo, foram entregues 15 medalhas de ouro, 25 de prata e 35 de bronze. Pernambuco foi o segundo estado no número de medalhas.
O Rio Grande do Norte, que obteve o maior número, conquistou 20 medalhas. Em terceiro, está o Ceará, com 14. São Paulo teve 12 medalhas, seguido pela Bahia (4), Piauí (3), Minas Gerais (2), além de GoiásParáParaíbaRio de Janeiro e Sergipe, que levaram uma medalha cada, segundo os organizadores.
Entre os alunos pernambucanos que participaram da competição em Campinas, estavam 30 estudantes da Escola de Aplicação do Recife(UPE), que passaram por uma semana de tensão. Isso porque o governo de Pernambuco arcou com as despesas de 15 jovens e os outros integrantes das equipes precisaram arrecadar dinheiro para viajar até Campinas (SP). Eles venderam rifas, roupas e doces, além de fazer uma campanha nas redes sociais para conseguir comprar as passagens.                                                                                            Foram seis medalhas para a Escola de Aplicação do Recife (UPE). O outro representante da rede pública de ensino foi o Colégio de Aplicação da UFPE, que levou uma medalha de ouro e duas de bronze. Outras três escolas da rede privada de ensino levaram 6 medalhas. (Veja a relação de equipes ao fim da matéria)
A equipe da Escola de Aplicação do Recife (UPE) levou medalha de prata — Foto: Reprodução/WhatsApp

De acordo com o professor de história Alberon Lemos, que orientou sete das 12 equipes estaduais na competição, foi um resultado maravilhoso e histórico para Pernambuco. Ele trabalhou junto com o professor Dayvison Freitas.
"Nós estamos muito felizes e tentamos, ao longo da fase final da prova, trabalhar a felicidade com os meninos. Eles passaram por muita tensão com a incerteza da viagem, mas se mantiveram calmos. As medalhas foram uma coroação", afirmou o professor.
Segundo ele, a rede pública estadual bateu o recorde no número de medalhas: foram 6 para a Escola de Aplicação do Recife (UPE), o que representa metade das equipes que chegaram à final. No ano passado, foram 4 medalhas.
"O Nordeste sempre se destacou, mas este ano dominou a competição. E, particularmente, tínhamos uma grande torcida para Pernambuco. Tanto para as escolas públicas, como para as privadas. Quando uma equipe ganhava medalha, todas as outras vibravam", lembrou Alberon.
 Segundo ele, alunos pernambucanos voltam ainda neste domingo (18) para casa."Acho que a mensagem que os estudantes levam para os colegas é de que vale a pena perseverar, vale a pena acreditar nos sonhos. E também a ideia de que a produção de conhecimento não acontece somente na sala de aula. Existem várias formas de aprender, de fazer pesquisa", disse o professor.
Os meninos da equipe Cabra da Peste ficaram com uma das medalhas de bronze — Foto: Reprodução/WhatsApp

Edição de 2019

A final foi disputada por 314 equipes com 1,2 mil alunos de todos os estados brasileiros. O Nordeste ficou com o maior número de medalhas da competição: das 75 distribuídas, 58 foram para a região. O Rio Grande do Norte ficou em primeiro lugar com 20 medalhistas.
A Olimpíada Nacional em História do Brasil teve 73 mil inscritos na primeira fase. As equipes passaram por seis etapas online. Foi a 11ª edição da competição.
A final teve uma prova dissertativa no sábado (17), que começou com o conteúdo de manchetes de jornais dos Brasil. Os competidores precisaram elaborar um texto com os temas violência, exclusão e banalidade do mal.
A competição é um projeto do Departamento de História da Unicamp e tem apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e do Programa de Pós-Graduação em História da Unicamp.                      

Veja as equipes pernambucanas premiadas:

Medalhas de Ouro
  • Equipe Olha o sucesso - Colégio Equipe
  • Equipe Fulô do Sertão - Colégio Núcleo
  • Equipe HerStory - Colégio de Aplicação da UFPE
Medalhas de Prata
  • Equipe Valete, Dama e Rei - Escola de Aplicação do Recife (UPE)
  • Equipe Polentinhas do Arrocha - Escola de Aplicação do Recife (UPE)
  • Equipe Rosas de Luxemburgo - Colégio Núcleo
  • Equipe Alok - Colégio Boa Viagem
  • Equipe As Rosas do Sertão - Escola de Aplicação do Recife (UPE)
  • Equipe Meninas da Lama - Colégio Equipe
  • Equipe Meninas Super Poderosas - Colégio Boa Viagem
Medalhas de Bronze
  • Equipe MACAMA - Colégio de Aplicação da UFPE
  • Equipe Os cabra da peste - Escola de Aplicação do Recife (UPE)
  • Equipe Tri barril que só a cebola - Colégio de Aplicação da UFPE
  • Equipe ComunaCats - Escola de Aplicação do Recife (UPE)
  • Equipe Só Vai!!! - Escola de Aplicação do Recife (UPE)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Vaquejada de Surubim foi um grande sucesso de publico 2019

A  Vaquejada de Surubim 2019   82ª edição. Vaquejada, uma das maiores atividades culturais do Brasil.  Dois vaqueiros montam a cavalo p...