quinta-feira, 22 de agosto de 2019

Centenas de cristãos foram mortos neste primeiro semestre na Nigéria

Segundo o site https://radio93.com.brDurante o primeiro semestre de 2019, centenas de cristãos foram mortos na Nigéria.  E continua a ganhar força, uma onda de ataques de militantes fortemente armados, que promovem uma espécie de “limpeza religiosa” que está ajudando as tentativas do Boko Haram de estabelecer um califado islâmico no nordeste do país.  Missionários descrevem a situação como “horripilante”.
A ONU anunciou em julho que o surto de ataques violentos contra cristãos em toda a África subsaariana está agora em nível de crise, com uma estimativa de 4,2 milhões de pessoas deslocadas representando uma emergência humanitária “sem precedentes”.                                                                                                    

Apesar da violência, as mortes e a brutalidade dos ataques não são contestadas pelo governo federal nigeriano

Casas em Karamai, estado de Kaduna, que foram queimadas em um ataque dos Fulani em fevereiro. (Foto: Reprodução/Barnabas Fund)
Casas em Karamai, estado de Kaduna, que foram queimadas em um ataque dos Fulani em fevereiro. (Foto: Reprodução/Barnabas Fund)  https://guiame.com.br                                                                                                                                                                        Centenas de cristãos perderam suas vidas somente no primeiro semestre de 2019, enquanto uma onda de ataques de militantes fortemente armados, principalmente muçulmanos, continua a ganhar força em uma agenda de “limpeza religiosa” que está ajudando as tentativas do Boko Haram de estabelecer um califado islâmico no nordeste da Nigéria.
Contatos da organização cristã Barnabas Fund descreveram a situação como “horripilante” para as comunidades cristãs em um relatório recente que delineou uma série de ataques assassinos em pelo menos seis regiões em 2019, custando centenas de vidas, destruindo casas e dizimando comunidades.
As mortes e a brutalidade dos ataques não são contestadas pelo governo federal nigeriano.
Grandes quantidades de terras de propriedade cristã também foram apreendidas por militantes Fulanieste ano. Um controverso plano do governo chamado "Ruga", que visa estabelecer novos assentamentos Fulani na região, foi recentemente suspenso devido a protestos públicos, de acordo com os contatos do Barnabas Fund.
A ONU anunciou em julho que o surto de ataques violentos contra cristãos em toda a África subsaariana está agora em nível de crise, com uma estimativa de 4,2 milhões de pessoas deslocadas representando uma emergência humanitária "sem precedentes".
Kaduna
Estado de Kaduna é o mais atingido na sequência de ataques violentos, com quase 300 pessoas mortas quando a milícia Fulani fortemente armada invadiu a vila de Karamai e pelo menos seis outras aldeias predominantemente cristãs em toda a região, entre fevereiro e abril.
Em alguns dos ataques mais insensíveis testemunhados nos últimos anos, foram relatados estupros brutais e mutilações com facões.   Mais de 300 casas foram destruídas nos ataques e muitos hectares de terras devastadas e propriedades saqueadas em todo o estado. No vilarejo de Dogon Noma, relatos de testemunhas descreveram homens armados "atirando e atacando qualquer coisa que se movesse".
Violência e morte
Na área do governo local de Kajura, também no estado de Kaduna, os corpos de cerca de 73 mulheres, algumas grávidas e 101 crianças, desde bebês nas costas de suas mães até crianças de dez anos, foram enterrados em uma vala comum.
Relatos de ataques matando 66 fulanis foram divulgados em reportagens televisionadas do governador do estado de Kaduna, Nasir El-Rufai, durante as eleições presidenciais de fevereiro. Estes últimos provaram ser falsos, mas acredita-se que tenham agravado a hostilidade em relação aos cristãos no estado.
Militantes fulanis assassinam 61 em Benue e Plateau States
Em 4 de março, a milícia Fulani atacou três aldeias no Estado de Benue, matando 23. Um quarto ataque à vila de Sendegh, a área do governo local de Kwande, em 7 de abril, matou mais dois cristãos e feriu vários outros.
Em Plateau State, houve novos ataques em áreas predominantemente cristãs de Jos, a capital do estado, em 23 de maio, que deixou pelo menos 33 cristãos mortos.
Mais de 300 militantes fulanis armados “atiraram indiscriminadamente” ao atacarem três aldeias principalmente cristãs no dia 17 de junho, na área do Estado de Plateau, no governo local de Riyom. Três morreram nos ataques, incluindo um soldado, e muitos ficaram feridos. Pelo menos 50 casas e uma clínica do governo foram destruídas pela multidão.
Mortes na Páscoa
Os contatos do Barnabas contaram sobre um trágico incidente envolvendo cerca de 13 jovens cristãos do sexo masculino que morreram instantaneamente durante um desfile anual de domingo de Páscoa na cidade de Gombe, Estado de Gombe, quando um veículo de defesa civil invadiu a procissão da Brigada de Meninos. O contato disse que o episódio não foi “acidental” e chegou a um momento de animosidade em relação aos cristãos.
No domingo, 14 de abril, a violência irrompeu no estado central de Nasarawa, quando 18 cristãos foram mortos e vários feridos em milícias Fulani nas aldeias de Nidam, Mente e Numa Kochu, todos na Área do Governo Local de Akwanga.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Bolsonaro: Considerado o melhor Presidente da História do Brasil.

Segundo o site  https://gazetainformante.wordpress.com :  Ao decorrer dos anos tivemos milhares de Presidentes. Mas segundo boa parte de um ...