domingo, 30 de junho de 2019

Cidades brasileiras têm protestos em defesa da reforma da Previdência, da Lava Jato e de pacote anticrime

Segundo o site https://g1.globo.com:
Grupos começaram a se reunir nesta manhã. Até por volta de 12h30, 20 cidades de seis estados e do Distrito Federal tinham registrado atos.
RIO DE JANEIRO, 11H: Manifestantes concentrados na altura do Posto 5, em Copacabana — Foto: Ricardo Abreu / GloboNews
No Rio, os manifestantes começaram a se reunir por volta das 10h na orla da praia de Copacabana, na altura do Posto 5, na Zona Sul da capital fluminense. A todo instante os grupos gritam palavras de ordem em defesa de Moro, além de palavras de apoio à Operação Lava Jato e ao ministro da Economia, Paulo Guedes, e à Reforma da Previdência.                                    
Distrito Federal                                                            
, por voltas das 10h, manifestantes ergueram bonecos infláveis no gramado em frente ao Congresso Nacional. Um dos personagens, segundo os organizadores, representa o ministro Moro vestido com roupas do "super-homem". Também há representações do ex-presidente Lula e de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).                                                    
São Paulo
CAMPINAS (SP):Moradores de Campinas e região fazem ato a favor do governo Bolsonaro neste domingo. — Foto: Wesley Justino/EPTV
Em Campinas, no interior paulista, o ato começou às 10h na Avenida Norte-Sul, na região dos bairros Cambuí e Nova Campinas. Em Jundiaí, um grupo se reuniu na Praça 9 de Julho por volta das 10h com carro de som, cartazes, bandeiras e roupas nas cores verde e amarelo. Em Itapetininga, os manifestantes se concentraram no Largo dos Amores.
    
Em Jales, também no interior paulista, um grupo se reuniu na Praça do Jacaré. Em São José do Rio Preto, manifestantes ocuparam uma parte da Avenida Alberto Andaló, no Centro, com um carro de som para fazer discursos. Em Andradina, a manifestação se concentrou na Rua Santa Teresinha, na frente da Praça Antônio Joaquim de Moura Andrade, na região central da cidade.
Em Piracicaba, o ato começou com uma concentração às 9h30 na Praça José Bonifácio, no Centro, e por volta das 11h os manifestantes começaram a seguir em passeata pelas ruas do bairro. Em Ribeirão Preto, a concentração do ato começou às 10h na porta de um clube na Avenida Nove de Julho.
Em São Carlos, a concentração começou às 9h na Praça Itália, na Vila Lutfalla, onde os manifestantes vestidos de verde e amarelo distribuíram adesivos para os carros, fizeram cartazes e cantaram o Hino Nacional. Em Rio Claro, os manifestantes se reuniram às 10h na Praça do Jardim Central e disponibilizaram o microfone para os manifestantes que quisessem se pronunciar sobre o ato.
Em Mogi das Cruzes, os manifestantes se reuniram na Avenida Cívica.

Minas Gerais
UBERABA, 10h25: concentração na Praça Manoel Terra em Uberaba — Foto: G1/G1
Em Belo Horizonte, manifestantes se concentraram na Praça da Liberdade, na região da Savassi, e iniciaram o ato cantando o hino nacional. Por volta de 10h30, manifestantes também já se reuniam em cidades do Triângulo Mineiro. Em Uberaba, o ato se concentrou na Praça Manoel Terra, nas proximidades do Mercado Municipal. Em Uberlândia, a concentração foi na Praça Tubal Vilela.                
Salvador
SALVADOR, 10h: Manifestação em apoio à Operação Lava Jato, nova previdência e pacote anticrime — Foto: Dalton Soares/TV Bahia
Em Salvador, os manifestantes se concentraram no Farol da Barra. Além de apoiar o governo de Jair Bolsonaro e os ministros Sérgio Moro e Paulo Guedes, o grupo protestava contra o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

Pará
Manifestantes percorrem as ruas de Belém em defesa da operação Lava Jato — Foto: Andréa França/G1 PA
Em Belém, manifestantes saíram em passeata por volta das 10h pelas avenidas Nazaré e Doca de Souza Franco, no bairro do Umarizal.
Maranhão
Em São Luís, manifestantes protestaram na Avenida Litorânea e saíram em carreata.
  

sábado, 29 de junho de 2019

Número de brasileiros vivendo em Portugal cresce 23,4% em 2018

Segundo o site https://www.noticiasaominuto.com.br/mundo: A quantidade de brasileiros impedidos de entrar em Portugal também explodiu e chegou a 2.866 casos no ano passado
L
ISBOA, PORTUGAL (FOLHAPRESS) - A quantidade de brasileiros vivendo em Portugal disparou em 2018: uma alta de 23,4% em relação ao ano anterior. As informações foram divulgadas nesta sexta (28) pelo SEF (Serviço de Estrangeiros e Fronteiras), órgão responsável pela imigração no país.                                                              
A quantidade de brasileiros impedidos de entrar em Portugal também explodiu, passando de 1.336 em 2017 para 2.866 no ano passado. Isto equivale a um aumento de 114,5%.
É a segunda alta consecutiva, após um período de seis anos de quedas nos números oficiais (de 2011 a 2016).
Os brasileiros seguem como a maior comunidade estrangeira em Portugal, embora tenha havido acréscimo expressivo também de outras nacionalidades. Segundo o SEF, há mais de 480 mil estrangeiros vivendo no país: uma alta de 13,9% em relação a 2017.
De acordo com o relatório, nunca houve tantos estrangeiros residentes desde que a série histórica foi criada, em 1976.
A quantidade de cidadãos do Brasil vivendo em Portugal, no entanto, é bem maior do que os 105.423 das estatísticas do SEF. Os números oficiais não consideram como brasileiros aqueles que têm dupla cidadania portuguesa ou de outro país da União Europeia. Além disso, também não entram na conta, por motivos óbvios, quem está em situação irregular.
Há pelo menos dois anos, as autoridades portuguesas vêm alertando para o aumento do fluxo de imigrantes irregulares, motivado principalmente pela deterioração das condições político-econômicas no Brasil.
Não por acaso, o número de brasileiros barrados nos aeroportos lusitanos também explodiu. A principal razão apontada é a falta de documentação que comprove os motivos (turísticos) da viagem e meios insuficientes para se manter no país.
Apesar das autoridades terem apertado o cerco na hora da entrada no país, o governo português vem gradualmente facilitando os processos de legalização para imigrantes que estejam inseridos no mercado de trabalho.
No último ano, o número de estrangeiros em situação irregular que conseguiram se legalizar aumentou 385% em relação a 2017. Foram emitidas 16,5 mil autorizações de residência, contra 3.403 no ano anterior. Os brasileiros foram os mais beneficiados.
Os brasileiros, especialmente os de menor escolaridade, estão suprindo a necessidade de mão-de-obra principalmente no setor de serviços, que vem crescendo com o boom do turismo. Em 2019, os lusitanos conquistaram pelo terceiro ano consecutivo o título de melhor destino europeu no "World Travel Awards", espécie de Oscar do turismo mundial.
O crescimento da comunidade brasileira também foi acompanhado de um aumento de denúncias de xenofobia e discriminação.
O mais recente relatório da CICDR (Comissão para a Igualdade e contra a Discriminação Racial), órgão de prevenção e combate às práticas discriminatórias em Portugal, indica que as queixas por discriminação étnica e racial cresceram 93,3% em 2018 em comparação ao ano anterior.
Os relatos de xenofobia contra brasileiros tiveram um aumento ainda mais expressivo: 150% em 12 meses.
A chegada de mais brasileiros também acabou congestionando a rede consular brasileira. Sem conseguir dar conta da demanda de atendimento, que duplicou em menos de um ano, o consulado do Brasil em Lisboa chegou a ter pessoas passando a madrugada na porta.       A procura pelo passaporte português também deu um salto, após uma mudança na lei de nacionalidade que entrou em vigor em 2017. A partir de então, a legislação estendeu para netos de portugueses o direito à chamada nacionalidade de origem, que permite "mais benefícios" do que a cidadania por naturalização, modalidade permitida até então.       

Mercosul e União Europeia fecham acordo de livre comércio

Segundo o site https://www.noticiasaominuto.com.br: O tratado permitirá que a maior parte dos produtos seja comercializada entre os blocos com tarifa zero
O
Mercosul e a União Europeia finalizaram nesta sexta-feira, 28, as negociações para o acordo entre os dois blocos, segundo duas fontes do governo brasileiro informaram ao jornal O Estado de S. Paulo. O comunicado oficial deve sair em breve        
O tratado, que abrange bens, serviços, investimentos e compras governamentais, vinha sendo discutido há duas décadas por europeus e sul-americanos.
A rodada final de negociações foi iniciada por técnicos na semana passada. Diante do avanço nas tratativas, os ministros do Mercosul e da União Europeia foram convocados e, desde a quinta-feira, 27, estão fechados em reuniões na Bruxelas.
O acordo entre Mercosul e União Europeia representa um marco. É segundo maior tratado assinado pelos europeus - perde apenas para o firmado com o Japão, segundo integrantes do bloco - e o mais ambicioso já acertado pelo Mercosul, que reúne Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai.
O tratado permitirá que a maior parte dos produtos seja comercializada entre os blocos com tarifa zero. Haverá um calendário para que isso ocorra. Os europeus eliminarão mais rapidamente as tarifas, mas vão manter cotas de importação em alguns produtos agrícolas. Para o Mercosul, pode levar uma década para que boa parte das alíquotas seja zerada.
Vinte anos de negociação
As conversas para o acordo foram lançadas em junho de 1999. Uma troca de ofertas chegou a ser feita em 2004, mas decepcionou os dois lados e as discussões foram logo interrompidas. Em 2010, as negociações foram relançadas.
Desde então, houve idas e vindas com momentos de resistências tanto do lado do Mercosul quanto do lado da União Europeia. Em 2016, os dois blocos voltaram a trocar propostas e, neste ano, havia a percepção de que faltava muito pouco para um acerto.
Para a rodada final, o governo brasileiro enviou a Bruxelas o chanceler Ernesto Araújo, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, e o secretário especial de Comércio Exterior do Ministério da Economia, Marcos Troyjo.
           
O clima era de otimismo e o Brasil se preparava para anunciar um desfecho favorável já na noite de quinta-feira. Mas muitos detalhes referentes ao setor agrícola ainda não tinham sido resolvidos, segundo uma fonte próxima às conversas que correm na Bélgica.
O clima pesou em diversos momentos e houve tensão entre os negociadores, conta essa fonte. Ao longo desta sexta, porém, foi possível alcançar um consenso.
     

Júri condena ex-PM a 149 anos de prisão por chacina na Pavilhão 9

Segundo o site https://www.noticiasaominuto.com.br: Rodney Dias dos Santos foi condenado a 149 anos e quatro meses de reclusão
D
epois de dois dias de julgamento, o 5º Tribunal do Júri da Capital condenou nesta sexta, 28, o ex-policial militar Rodney Dias dos Santos a 149 anos e quatro meses de reclusão, em regime inicial fechado, como um dos responsáveis pela chacina praticada na quadra da torcida organizada Pavilhão Nove, do Corinthians, em abril de 2015.                
Segundo a denúncia, o acusado era uma das três pessoas armadas que fazia parte do grupo que invadiu a sede da torcida e causou oito mortes.
De acordo com a acusação, Rodney invadiu a quadra 'com a intenção de matar uma das vítimas, com quem tinha uma desavença pelo controle do tráfico de drogas na região'.
Segundo informações divulgadas pelo Tribunal de Justiça de São Paulo - Processo nº 0002320-42.2015.8.26.0052 -, 'para garantir sua impunidade, (Rodney) matou todos que lá estavam presentes após participarem de um torneio de futebol e um churrasco de confraternização'.
Três pessoas conseguiram fugir.
Em sua sentença, a juíza Giovanna Christina Collares destacou o fato de que 'a personalidade do réu demonstra o seu absoluto desvalor à vida humana, ante a frieza com que os crimes foram cometidos, pois as vítimas foram executadas com tiros na nuca'.
Cabe recurso da decisão.
   

Câmara vai reformar gabinetes por R$ 20 milhões

Segundo o site https://www.noticiasaominuto.com.br: 81 gabinetes parlamentares serão reformados
O
s tempos difíceis de ajustes fiscais não impediram a Câmara dos Deputados de decidir gastar R$ 20 milhões para reformar 81 gabinetes parlamentares e incluir um banheiro em cada um deles.                                                                                              
As salas ficam no chamado anexo 3, um dos prédios adjuntos ao edifício principal do Congresso. A ala abriga os únicos gabinetes sem banheiros próprios. Quem despacha ali, precisa dividir os toaletes comuns, localizados nos corredores, com funcionários e visitantes. No anexo 4, por exemplo, cada sala possui o seu próprio banheiro, que muitas vezes acaba sendo privativo do parlamentar. Os deputados do anexo 3 decidiram que também querem ter seus banheiros individuais.
O Estado apurou que o projeto elaborado pela área de arquitetura da Câmara já está aprovado e as obras devem ser iniciadas no próximo semestre. A ideia é encabeçada pela 1.ª Secretária da Câmara, a deputada Soraya Santos (PR-RJ).
A reforma deverá levar ao menos três anos para ser concluída, com previsão de ser entregue em janeiro de 2023. Durante a execução das obras, os gabinetes dos parlamentares e demais escritórios do anexo 3 serão transferidos para outra área do prédio. Uma primeira leva de 38 gabinetes tem previsão de ficar pronta até janeiro de 2021.
O projeto não é unanimidade. Herdeira do gabinete nesta ala que era usado pelo presidente Jair Bolsonaro, quando era parlamentar, a deputada Carla Zambelli (PSL-SP) discorda da iniciativa. "Se fosse alguma coisa para um deficiente físico ou alguém com problema de locomoção, isso até poderia ser feito para essas pessoas. Mas eu não faço questão de banheiro, até porque fico pouco no gabinete, só vou para despachar e já volto para as comissões", disse.
O deputado Junior Bozzella (PSL-SP), que também ocupa um espaço no anexo 3, segue a colega. "Atendo muita gente no gabinete, mas é muito dinâmico, então, nem percebo essa questão de ter ou não banheiro. E eu uso bem o banheiro do corredor, sendo bem sincero."
Bozzella, no entanto, afirmou que as estruturas da Casa "não são das melhores", mas ressaltou que é preciso poupar recursos públicos. "É precário para o atendimento ao público, não exclusivamente para o parlamentar em si. Eu não me incomodo, mas talvez o público ali no gabinete e os funcionários se incomodem, embora existam os banheiros nos corredores. Mas quanto mais dinheiro público puder economizar, melhor", afirmou.
Custos
Por meio de nota, a assessoria de comunicação da Câmara informou que as obras ainda serão licitadas e que os custos estimados são de R$ 6,6 milhões por ano, a serem executados entre 2020 e 2022.
A Câmara justificou que o prédio do anexo 3, erguido na década de 1970, "nunca passou por reformas gerais de suas instalações, que estão obsoletas". Segundo a Casa, não se trata apenas de erguer banheiros novos, porque há "necessidade comprovada" de trocar sistemas hidráulico, elétrico e de ar condicionado, e de adequar o prédio a normas de acessibilidade, segurança e de combate a incêndio e pânico, "com a melhoria das rotas de fuga", segundo o texto.
Em 2016, a Câmara chegou a analisar a possibilidade de construir mais um anexo, com uma obra estimada em R$ 320 milhões. "A área técnica da Câmara realizou estudos que constataram que a solução mais viável, do ponto de vista da economicidade e da praticidade, é a realização de obras estruturais no prédio - a alternativa, muito mais dispendiosa, seria a construção de um novo edifício, o que chegou a ser cogitado no passado", diz a nota. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Trabalhadores autônomos somam 24 milhões no país, diz IBGE

Segundo o site https://www.noticiasaominuto.com.br: O contingente de trabalhadores autônomos no Brasil é recorde da série histórica, iniciada em 2012
O
s trabalhadores por conta própria no país chegaram a 24 milhões de pessoas no trimestre encerrado em maio deste ano. O número é 1,4% superior ao registrado no trimestre encerrado em fevereiro deste ano (mais 322 mil pessoas) e 5,1% maior do que o observado no trimestre finalizado em maio de 2018 (mais 1,17 milhão de pessoas)            
O contingente de trabalhadores autônomos no Brasil é recorde da série histórica, iniciada em 2012. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), divulgada hoje (28) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
O crescimento desses trabalhadores contribuiu para o aumento da população ocupada como um todo, que ficou em 92,9 milhões de pessoas, 1,2% superior (mais 1,07 milhões de pessoas) ao trimestre anterior e 2,6% a mais (2,36 milhões de pessoas a mais) do que no trimestre encerrado em maio do ano passado.
A taxa de desemprego ficou em 12,3%, abaixo dos 12,4% de fevereiro e dos 12,7% de maio de 2018.
Outro segmento que puxou o crescimento da população ocupada foi o de empregados sem carteira assinada. No trimestre encerrado em maio deste ano, eles somaram 11,4 milhões de pessoas, crescendo em ambas comparações temporais: 2,8% (mais 309 mil pessoas) frente ao trimestre anterior e 3,4% (mais 372 mil pessoas) em relação ao mesmo trimestre de 2018.
O número de empregados no setor privado com carteira assinada (exclusive trabalhadores domésticos) foi 33,2 milhões de pessoas, ficando estável frente ao trimestre anterior e subindo 1,6% (mais 521 mil pessoas) frente a maio de 2018.
O rendimento médio real habitual do trabalhador ficou em R$ 2.289, uma queda de 1,5% em relação ao trimestre encerrado em fevereiro deste ano, mas estável na comparação com maio de 2018. A massa de rendimento real habitual chegou a R$ 207,5 bilhões, estável em relação a fevereiro, mas 2,4% superior a maio do ano passado.
A população fora da força de trabalho (64,7 milhões de pessoas) caiu 1,2% em relação a fevereiro, mas permaneceu estável em relação a maio de 2018
A população subutilizada, isto é, aquelas pessoas que estão desempregados, que trabalham menos do que poderiam, que não procuraram emprego mas estavam disponíveis para trabalhar ou que procuraram emprego mas não estavam disponíveis para a vaga, mais uma vez é recorde para a série histórica.
O contingente dessa população chegou a 28,5 milhões de pessoas no trimestre encerrado em maio deste ano, 2,7% a mais do que em fevereiro deste ano e 3,9% a mais do que em maio do ano passado. “As pessoas estão trabalhando, mas mais de 60% manifestam uma vontade de trabalhar mais e essa vontade não está sendo atendida. O mercado não absorve essa pressão", disse a pesquisadora do IBGE Adriana Beringuy.
A taxa de subutilização ficou em 25%, superior aos 24,6% de fevereiro e de maio do ano passado. O número de pessoas desalentadas, isto é, aquelas que que desistiram de procurar emprego, ficou estável (em ambas comparações temporais) em 4,9 milhões, também um patamar recorde na série histórica.
Com informações da Agência Brasil 
  

SURUBIM COMEMORA O DIA DO COMERCIÁRIO

Hoje(21) na cidade comemora o Dia do Comerciário e todas lojas fechada na cidade de Surubim. Oficialmente, esta data foi instituída a partir...