Na cadeia, Lula admite possível derrota e diz que deixou seu legado para o Brasil

Segundo o site https://epoca.globo.com: Para José Dirceu, segundo turno será “uma batalha de Stalingrado"                                                  
O ex-presidente Lula está preso na sede da PF em Curitiba Foto: Nelson Almeida / AfpNeste sábado (6), a menos de 24 horas das eleições, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva assistia a um filme na televisão de sua cela, localizada no quarto andar da sede da Polícia Federal, em Curitiba. O vídeo foi levado por advogados que tem a permissão judicial para entregar pen drives com músicas, séries e outras atrações ao preso. De calça e blusa de moletom, o petista passou o dia sozinho, já que não pode receber visitas aos finais de semana. A chuva e a temperatura em torno de 10 graus também não permitiram que ele desfrutasse das duas horas diárias de banho de sol. O mau tempo também afugentou os militantes que fazem plantão no acampamento do PT em frente à PF pedindo sua liberdade. Apenas seis militantes resistiam ao frio na véspera do primeiro turno.                                                                           A exceção no sábado de Lula foi a breve conversa que teve com os agentes da PF que levam suas refeições e fazem a segurança da porta de sua cela. No bate-papo, Lula não mudou seu comportamento: fez piadas e mostrou otimismo. No entanto, começou a admitir um assunto que até então evitava: uma possível derrota de Fernando Haddad, candidato do PT que o substituiu na disputa pelo Palácio do Planalto, para o Jair Bolsonaro, do PSL.    Segundo pessoas que conversaram com o presidente, nos últimos dias ele tem dito que sabe que deixou seu legado para o Brasil e que entrará para a história do país. Afirma ainda que esse não será o caminho de seus algozes. Lula defende que sua permanência na prisão será um grande problema num eventual governo Bolsonaro. Acredita que a visão de que ele é um preso político está consolidada no exterior e que a pressão de países estrangeiros e da ONU pela sua liberdade será crescente.                          A cúpula do partido também passou a admitir a possibilidade de vitória de Bolsonaro. Se antes as pesquisas internas do PT mostravam que Haddad lideraria a votação ainda no primeiro turno, o mesmo não foi comprovado na véspera da eleição. Os números da própria sigla, geralmente mais otimistas do que pesquisas como Ibope e Datafolha, mostravam que o candidato do PSL chegará a um provável segundo turno na frente do ex-prefeito de São Paulo. Os dados são a pior notícia que o PT poderia receber. Sempre que chegou ao segundo turno, com Lula e depois com Dilma Rousseff, a sigla já estava na liderança.   O ex-ministro José Dirceu, que já foi condenado na Lava Jato, tem comparado o segundo turno entre Haddad e Bolsonaro à sangrenta Batalha de Stalingrado — com três meses de duração, ela foi um marco da Segunda Guerra Mundial, em 1942, quando soviéticos derrotaram as tropas alemãs de Adolf Hitler. No entanto, o petista tem defendido que a derrota pode ser o caminho de sobrevivência.  Em rodas restritas, ele afirma que se for para Haddad ser eleito e não conseguir governar, como aconteceu com Dilma Rousseff, que sofreu o impeachment em 2016, é melhor que o partido perca as eleições. Parte da sigla concorda com Dirceu e defende que o PT deixe o país sangrar com Bolsonaro voltar em um ambiente com menos rejeição e se viabilizar como opção dos eleitores. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

General Heleno: “Vamos fechar o Congresso Nacional. Não existe nenhuma Democracia em nosso País mais.”

Noticia Urgente: Cantor Murilo Manoel de Moura sofre acidente de Moto e chega a óbito

Jovem morre em acidente de transito na PE 90 na cidade de Surubim